ESCOLAS DE CINEMA E ARTE – O que fazer com elas? VII capítulo

 

 No VII capítulo e último da série ESCOLAS DE CINEMA E ARTE – O que  fazer com elas?  Maurice Capovilla, através da experiência incrível vivenciada no Acre, comprova que a esperança é a única que não morre.

 

 Por Maurice Capovilla

VII. A USINA DE ARTE DO ACRE

                          

                        A volta por cima

O Núcleo de Produção Digital da Usina de Arte João Donato devolveu a esperança perdida de se montar um curso livre e regular de cinema sem morte prematura.

  

A Usina de Arte João Donato nasce da visão avançada de um Secretário de Educação, na época o professor Binho Marques, hoje governador do Estado do Acre, ao implantar uma escola de arte em Rio Branco sem um projeto pedagógico antecipado.  O curioso dessa iniciativa foi que a arquitetura, resultado da restauração de antiga fabrica de processamento de castanha, indicava claramente espaços com a destinação certa para uma escola livre de arte, onde poderiam conviver o teatro, o cinema, a música, as artes plásticas, a dança… E o que  considerássemos  arte.

Durante dois anos, entre 2005 e 2006, reuniões mensais foram realizadas com as áreas envolvidas, com  o objetivo de formatar o projeto de uma escola híbrida,  capaz de abrigar as múltiplas linguagens das artes e  preencher um espaço importante de formação artística.  Inaugurada em 24 de abril de 2006, a Usina começa a funcionar regularmente em 2007, com os Núcleos de Teatro, Cinema e Música.

O Núcleo de Cinema começa a se estruturar em meados de 2005, quando a Secretaria do Audiovisual do MinC  lança o Edital do Programa Olhar Brasil, visando criar em 11 estados do país,  através de convênios, os Núcleos de Produção Digital, destinados a implantar centros de formação e produção audiovisual em estados periféricos ao eixo Rio/São Paulo, com repasses de recursos e equipamentos  em alta definição (HD),  na previsão das mudanças  tecnológicas que iriam se implantar na área das Comunicações.

O Acre apresentou um projeto de formação, denominado Curso de Cinema e Vídeo e foi contemplado com um NPD. O projeto obteve em seguida registro na Lei Rouanet, visando patrocínios através de benefícios fiscais e previa um Curso de 2 anos,  com  um enfoque definido.

O Curso se propôs como objetivo principal: “formar realizadores polivalentes, capazes de criar e produzir bens culturais nas áreas do cinema, do vídeo e da televisão, visando a formação integral do estudante para o exercício da criatividade e colocar em prática novos métodos de ensino das artes audiovisuais a partir da concepção de que o conhecimento do mundo moderno e globalizado se transmite através de linguagens, códigos  e tecnologias que tem como suporte a imagem e o som”.

A partir desses princípios germinou a ideia do Curso se implantar como uma oficina de pesquisa voltada para a prática e desenhada para expressar a realidade do Acre.  “O objetivo era abrir espaço para uma nova geração de artistas e realizadores, futuros profissionais ecléticos, capazes de manejar com estilo pessoal, as várias linguagens artísticas audiovisuais com domínio das técnicas que são as ferramentas de expressão do nosso tempo”.

A novidade do projeto é sua formatação. O Curso iniciou-se no segundo semestre de 2007 com 40 alunos e a configuração dos conteúdos programáticos foi baseada em trimestres temáticos, cinco no total. Os três primeiros foram dedicados ao documentário, à linguagem da televisão e à ficção. Os dois últimos foram diluídos entre produção de projetos curriculares e Oficinas de Especialização. As disciplinas foram distribuídas em áreas de abordagem teórica, técnica e prática e foram ministradas em oficinas semanais, regulares, progressivas, modulares e interativas, de modo que, seus conteúdos estivessem diretamente ligados aos temas dos projetos de filmes propostos. A partir da formação polivalente resultante de três trimestres completos, o objetivo do Curso era capacitar especialistas nas diversas áreas, consumadas de forma incompleta em Produção, Edição de Imagem, Fotografia em HD e Captação de Som.  As áreas de Roteiro, Cenografia, Figurinos, Edição em HD, Maquinaria, Elétrica e Direção em Cinema, Vídeo e Televisão serão configuradas para se realizar em 2010.

O curso, encerrado em dezembro de 2009, graduou 19 alunos, que realizaram trabalhos individuais e participaram de projetos coletivos. Ao todo foram realizadas 46 Oficinas de 20 horas semanais perfazendo o total de 920 horas aula e realizados 29 filmes com durações variadas em curta e média metragem. 

Como resultado desse processo, os alunos graduados e outros incorporados, fundaram a Samaúma Cinema e Vídeo, uma associação corporativa preparada para atuar em todas as áreas do audiovisual do Acre, da difusão à produção, da atuação como agentes culturais à formação básica no ensino de segundo grau. Um grupo atuante que dará impulso colateral às iniciativas  levadas a cabo pelas  políticas públicas federais,  estaduais e municipais  na área do audiovisual.

O projeto do NPD ainda contempla a Oficina da Imagem e do Som, um item de interação com a Usina de Arte e com outras áreas artísticas da comunidade cultural, um espaço livre de criação aberto às  artes cênicas, plásticas e musicais  e voltado à produção independente local,  com o objetivo de funcionar como uma usina de ideias e linguagens que se interagem para criar e produzir projetos cênicos, musicais, filmes, vídeos, instalações, programas de rádio e televisão, abastecer os alunos  e os artistas em geral  de métodos e processos de trabalho e suprir suas necessidades de informação e pesquisa. Participarão da Oficina alunos, artistas, professores e realizadores locais integrados na ação de produzir bens simbólicos de reflexão da realidade cultural acreana tendo como epicentro a Imagem e o Som.

Há uma pergunta que se faz até hoje: para que servem as escolas de cinema no Brasil?  Antes respondia prontamente: servem para aglutinar jovens com um desejo imenso de fazer cinema… Agora posso completar:  é na escola que alunos e professores aprendem a aprender… A fazer e a amar o cinema…  Foi o que aconteceu no Acre.  A transformação de jovens com experiência e formação diversas, desconhecidos entre si, selecionados mais pela sensibilidade do que pela informação, que se integram em dois anos e meio no processo de fazer filmes e se formam como verdadeiros cineastas,  capazes de refletir a visão que se tem do Acre para num futuro próximo apresentá-la ao resto do país.

  É para isso que serve uma escola. 

II MOSTRA USINA DE OLHARES

O Núcleo de Produção Digital da Usina de Arte João Donato é uma realização do governo do estado do Acre em parceria com a Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura.  O projeto, integrado ao programa Rede Olhar Brasil, visa capacitar jovens realizadores polivalentes, capazes de criar bens culturais nas áreas do cinema, do vídeo e da televisão.
A II Mostra Usina de Olhares representa o trabalho mais importante dos alunos do   Curso de Cinema e Vídeo do NPD da Usina de Arte,  realizado durante o tempo de sua formação. A Mostra pode ser encarada como uma experiência didática e ao mesmo tempo, a expressão de uma nova geração de realizadores capazes de manejar, com estilo próprio, as linguagens audiovisuais e suas técnicas, que são as ferramentas de expressão do nosso tempo.

Programação Completa da Mostra:

Programação do 1º dia

Programação do 2º dia

Programação do 3º dia

Programação do 4º dia

nos vemos lá!!!

Cineclube Aquiry

No próximo sábado(05/12) às 18horas o cineclube Aquiry exibirá:

Rumba, de Dominique Abel, Fiona Gordon e Bruno Romy (2008)

Sinopse: Interior da França. Dom (Dominique Abel) e Fiona (Fiona Gordon) são um casal de professores que tem uma paixão em comum: dança latina. Porém após uma noite de competição de dança, um acidente de carro muda por completo suas vidas.

Site Oficial: http://www.rumba-film.mk2.com/

Quando: Todo sábado, às 18 horas
Quanto: Entrada franca
Onde: Cineclube Aquiry na Usina de Arte João Donato (Av. das Acácias, nº 01 – Distrito Industrial – Rio Branco)

Informações pelo telefone: 3229 6892

ou acesse: http://cineclubeaquiry.blogspot.com/

Cineclube Aquiry está de volta…

O cineclube Aquiry retomará as atividades em julho.

Com uma programação semanal elaborada em ciclos temáticos, o cineclube Aquiry inicia as sessões do segundo semestre de 2009 debatendo o seguinte tema: Sistemas Opressores. O tema e a programação dos próximos ciclos serão pensados e discutidos nas sessões envolvendo todos os participantes do cineclube Aquiry.

Programação de julho

Ciclo Sistemas Opressores

Dia 04 de julho – Sábado 18:00h – Usina de Arte João Donato

El laberinto del Fauno (Labirinto do Fauno), de Guillermo del Toro (2006)

Sinopse: Uma garota e sua mãe se mudam para uma região da Espanha onde ainda há combates da Guerra Civil. No jardim da mansão em que mora a garota encontra um labirinto, que a leva a um mundo de fantasia. Dirigido por Guillermo del Toro e com Sergi López, Federico Luppi e Maribel Verdú no elenco. Vencedor de 3 Oscars.

Dia 11 de julho – Sábado 18:00h – Usina de Arte João Donato

Batismo de Sangue, de Helvécio Ratton (2007).

Sinopse: Um convento dominicano de São Paulo decide ajudar um grupo guerrilheiro, em plena ditadura militar brasileira. Dirigido por Helvécio Ratton (Menino Maluquinho) e com Caio Blat, Daniel de Oliveira, Ângelo Antônio, Marcélia Cartaxo e Cássio Gabus Mendes no elenco.

Dia 18 de julho – Sábado 18:00h – Usina de Arte João Donato

The Last King of Scotland (O Último Rei da Escócia), de Kevin Macdonald (2006).

Sinopse: Um jovem médico escocês é convidado por Idi Amin, um dos mais terríveis ditadores da África, para ser seu médico particular. Com Forest Whitaker e Gillian Anderson. Vencedor do Oscar de Melhor Ator.

Dia 25 de julho – Sábado 18:00h – Usina de Arte João Donato

Persepolis (Persépolis), de Vincent Paronnaud e Marjane Satrapi (2007)

Sinopse: Uma garota sonha em se tornar uma profetisa para salvar o mundo. Mas, quando o novo regime no Irã a obriga a usar véu, ela decide se tornar uma revolucionária. Recebeu uma indicação ao Oscar.

Quando: Todo sábado de julho, às 18 horas
Quanto: Entrada franca
Onde: Cineclube Aquiry na Usina de Arte João Donato (Av. das Acácias, nº  01 – Distrito Industrial – Rio Branco

Informações pelo telefone: 3229 6892 com Wander.

RELATÓRIO DO NÚCLEO DE PRODUÇÃO DIGITAL DA USINA DE ARTE JOÃO DONATO (NPD-ACRE)

 

 

 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO BIÊNIO

 2007 / 2008

 

 

O terceiro trimestre do Curso de Cinema e Vídeo enfocou a realização ficcional e foi constituído de 14 oficinas modulares, semanais e progressivas, de 20 horas cada. O processo resultou em dois filmes de ficção de curta-metragem, dois documentários e um “making of “.  Paralelamente foram realizadas atividades diversas, desde a documentação  de espetáculos musicais e teatrais, gravação de uma série intitulada Reza a Lenda, inter-programas para a tv Aldeia ( emissora pública do Acre) de histórias acrianas interpretadas por alunos do curso de Teatro da Usina. Foi realizada uma viagem para Aldeia Kaxinawá, em parceria com a terceira edição do Revelando os Brasis, em parceria com o Instituto Marlin Azul e  Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura. Segue abaixo a relação das atividades desenvolvidas pelo NPD-AC através do Curso de Cinema e Vídeo da Usina de Arte João Donato:

 

 

PARCERIAS, SERVIÇOS PRESTADOS E EMPRÉSTIMO DE EQUIPAMENTOS

 

A  Secretaria do Audiovisual do MinC,  através do Instituto  Marlin Azul em parceria com o NPD-AC para a realização de um documentário do projeto Revelando os Brasis. Os equipamentos de câmera, luz, som, acessórios, edição e a liberação de dois alunos do NPD-AC, para as etapas de captação de imagem e de edição do vídeo Yube Nawa Aíbu.

 

O Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região (Acre/Rondônia), através da Assessoria de Comunicação Social utilizou duas câmeras, iluminação, acessórios e dois profissionais do NPD-AC, para realizar as gravações do programa de TV Justiça & Cidadania.

 

palacio-da-justica

 

 

 

 

 

 

 

 

A Fundação de Cultura e Comunicação Elias Mansour, através da Assessoria de Imprensa e Comunicação utilizou uma câmera, iluminação, acessórios e microfone direcional, para realização do registro do evento: I Jogos da Celebração e V Encontro de Culturas Indígenas em Mâncio Lima, na Terra Indígena Poyanawa.

.A Fundação de Cultura e Comunicação Elias Mansour, através da Assessoria de Imprensa e Comunicação utilizou uma câmera, iluminação, acessórios e um profissional do NPD-AC, para realização do registro do evento: Seminário de Políticas Públicas e Economia da Cultura em Cruzeiro do Sul.

O Instituto Estadual de Desenvolvimento da Educação Profissional Dom Moacyr, através da Assessoria de Comunicação do Instituto Dom Moacyr utilizou a ilha de edição com um profissional do NPD-AC, para a edição de um vídeo institucional em homenagem ao Dia do Servidor Público.

 

RESULTADOS

O resultado de cada trimestre é contemplado com a realização dos alunos de um produto audiovisual, com a  orientação dos Professores e a Coordenação do Curso.

Primeiro trimestre de 2007

 O  primeiro trimestre de 2007  resultou em dois documentários: 1º SECOS E MOLHADOS 17’ retrata a influência sírio-libanesa na cultura acreana e o 2º GIRAS 13’ enfoca uma personagem no âmbito da religião afro-brasileira.

 

fotografia-usina-040

fotografia-usina-123

 

Segundo trimestres de 2007

O segundo trimestre de 2007 resultou em uma programação experimental para TV  denominada TV USINA, 56´,  contendo 2 documentários,  2 clips  musicais, 1 poema interpretado, 1 matéria jornalística. 1 repórter interativo   e  1 curta-metragem  de ficção.

fotografia-usina-078

equipe-noossa

Terceiro trimestre de 2008

O processo resultou em dois filmes de ficção de curta-metragem e uma diversificada  realização de projetos nos quais se destacam:

dsc01835curta-094
Série – Interprogramas exibidos na TV Aldeia em novembro e dezembro – 2008

 

REZA A LENDA histórias acreanas:

 

Zé Gogó – Cordel  – Daniela Rodrigues  – ( cordel) – 6´ – finalizado

Mariano e o Mapinguari – Daniela Rodrigues – ( lenda ) – 6´- finalizado

Jesus no Xadrez – Cordel -Daniela Rodrigues – ( cordel ) 5´- finalizado

Foi a Bôta – Daniela Rodrigues – ( lenda ) – 4´- finalizado

ANANSE – O Baú de Histórias – Maiara Rio Branco – ( conto )  – 8´- finalizado

O curió – Juliano Espinhos – ( lenda ) – ´- finalizado

O sapo e a vaca (infantil) – Daniela Rodrigues ( infantil ) – 5´- finalizado   

 

 

dsc05296dsc05355

 

Musicais: Especiais  exibidos na programação da TV Aldeia – dezembro -2008

 

Trio Arcano  – 30´- finalizado 

Barbatuques – 55´ – finalizado   
Bombando – 53´ – finalizado      

No Baixo do SapateiroSteven Harper e Bruce Henri -50´- finalizado

 
Teatro de Bonecos Giramundo:

 

Os Orixás  – em finalização                  
Um Baú de Fundo Fundo – em finalização 
As Relações Naturais – em finalização      
Pedro e o Lobo
 – em finalização


 
Opereta: A Lenda da Mulher do Jacaré – 40´ Maestro Roberto Burguel e alunos


Trabalho realizado com alunos dos Cursos de Arte Plástica, Música, Teatro e Cinema e Vídeo.


F
ilmes de ficção de curta-metragem:

 

Amor em pedaços –  17´  finalizado
Viagens

 – 25´ –  finalizado
 

 

YUBE NAWA AÎBU  – A Mulher Jibóia Encantada – 17´finalizado

 

Making of  – de  YUBE NAWA AÍBU – –   em  finalização)                      

Trabalho realizado em Co-Produção com  projeto   Revelando os Brasis.

 

aldeia-jacobina-df-967aldeia-jacobina-df-860


João do Guarani –  O Santo da Floresta  Documentário – 18´- finalizado

Trabalho realizado em parceria com o Patrimônio Histórico da Fundação Elias Mansour

Avaliação quantitativa

n˚ estimado

Público de Cinema Apresentação no Cine Teatro Hélio Mello  em pré- estréia dos projetos realizados no primeiro e segundo trimestre de 2007 -2 sessões

Grande Público – Exibição dos programas Reza a Lenda, Histórias Acreanas,  nos dias 17 e 24 de novembro e 1,8,15,22 e 29 , no horário das 20,30 na Rede Pública da TV Aldeia.
Exibição dos programa msicais: TV Usina, Bombando, Barbatuque e No Baixo do Sapateiro – nos dias 5,12,19 e 26 de dezembro.na TV Aldeia do Acre – Nos horários de 21.30 hs,

400

 

           50.000

Clientela direta
(número de pessoas atendidas diretamente pelo projeto)

60

Clientela indireta
(número de parceiros e pessoas que participaram indiretamente para a realização do projeto)

07 (parceiros)

                      

                                                      Avaliação qualitativa

Imprensa (relação com a imprensa, matérias veiculadas do projeto e outros)

O nosso relacionamento com a Imprensa é através do Sistema Público de Comunicação utilizando os seguintes meios: Secretaria de Comunicação do Estado, Assessoria de Imprensa e Publicação (FEM), TV Aldeia e o blog dos alunos do Curso de Cinema e Vídeo da Usina de Arte João Donato (usinadeolhares.wordpress.com).

 

                                                      Avaliação qualitativa

Autoridades (relações governamentais envolvidas no projeto)

O Curso de Cinema e Vídeo da Usina de Arte João Donato mantém convênio com a Secretaria do Audiovisual do MinC e parcerias com o Gabinete do Governador, a Fundação de Cultura e Comunicação Elias Mansour, a Secretaria de Estado de Educação e a  Secretaria de Comunicação através da Tv Aldeia, serviço publico de televisão do Acre.

 

Abraços, Wander.

 

Um blog de olhares

Esse blog é o resultado de um encontro e de uma conversa. Na tarde desta segunda-feira, em Rio Branco, Acre, na Usina de Arte, sentei-me (quem vos fala é Rodrigo Savazoni) com a Isabelle, o Felipe, o Wander, o Bruno, a Manu, a Thaísa, o Samuel, a Telma, o Bel, a Cecília, a Jamila, o Edvan, o Bruno Miranda, a Walquíria, a Miriane, o Márcio e a Nattércia para uma oficina sobre Informação Interativa. Em duas horas, construímos o nosso próprio veículo.

Um site que já nasce importante porque essa turma é pioneira no cinema acreano. São a primeira geração da Usina de Arte e já estão produzindo novos olhares por aqui. Essa página trata de audiovisual, a partir da perspectiva dessa moçada. Vai mostrar seus projetos, sonhos e realizações. O nome foi escolhido a partir de uma disputada eleição. Usina de Olhares – O Acre na cabeça e uma câmera na mão venceu Ramais Visuais e Cine Tucupi.

Entre os objetivos que inumeramos, em nossa oficina, para o projeto, estão:

  1. Ser um espaço para expressão dos Núcleos do curso de cinema da Usina;
  2. Organizar a produção dos estudantes;
  3. Difundir os trailers dos filmes que foram feitos no primeiro módulo do curso;
  4. Debater o que já foi feito no curso até aqui, com críticas e sugestões;
  5. Ser um ambiente para os professores falarem sobre a experiência na Usina;
  6. Organizar um Making Off do curso;
  7. Publicar as fotos do curso e sobre o curso;
  8. Reunir a produção individual dos estudantes, como filmes, roteiros e argumentos;
  9. Discutir a cidade, seus problemas e soluções;
  10. Discutir a cultura do Acre, seus mitos e lendas;
  11. Escrever, descrever, ou filmar a Rio Branco de cada um dos estudantes;
  12. Reunir a agenda cultural do Audiovisual do Acre;
  13. Fazer um trabalho jornalístico com os outros estudantes da Usina;
  14. Falar sobre cinema – o que é o roteiro, finalização, produção;
  15. Registrar as experiências do cineclube Aquiry;
  16. Escrever sobre filmes (fazer crítica de cinema)

De agora em diante, os estudantes da Usina têm um espaço online, interativo, para registrar os seus olhares. Um ambiente virtual de troca de idéias e informações, que pretende contribuir para o florescimento de uma geração de realizadores acreanos. É só o começo.