Making Off – Núcleo de Arte e Cultura

Nesse último sábado e domingo 24 e 25 de novembro, gravamos os projetos “poesias interpretadas” e “olhares cantados”.

No camarim do teatro da Usina, bastidores de Poesias Interpretadas.

Arrumação do cenário do clipe da música Surreal – Camundogs
“Olhares Cantados”.

Atriz e estudante do curso de Teatro da Usina de Artes, na interpretação
da poesia ” ”

Cenário montado para o clipe.

Making of das gravações.

Juliano em cena,aluno do curso de teatro, interpretando a poesia.

Gravando !!! Clipe pronto!
Em breve … na MTV !

Músicos da banda Camundogs junto à equipe de filmagem, produção, direção e fotografia.

por Bruno Miranda

Produção

mauricio-hirata.jpg

Essa semana estamos tendo aula com Maurício Hirata

  Nascido em Curitiba em 1977, Maurício Hirata F. mudou-se para São Paulo em 1995 para cursar Cinema e Vídeo na ECA/USP. Formou-se em 1998, fixando-se na cidade, e desde então tem desenvolvido trabalhos em cinema/audiovisual, fotografia e design gráfico.

Em cinema e audiovisual tem atuado como diretor, operador de câmera e/ou diretor de fotografia em curtas-metragens, documentários e vídeo-clipes. Com o patrocínio do Prêmo Estímulo do estado de São Paulo concluiu em 2003 o curta-metragem Rotina.

Como fotógrafo, desenvolve trabalhos pessoais. Realizou sua primeira exposição solo, intiulada Fatias, no Centro Cultural Banco do Brasil – São Paulo em 2000.


Como designer gráfico voltou-se principalmente para o desenvolvimento de materiais gráficos destinados à eventos culturais – notadamente mostras de cinema. Além disso, é diretor de arte da Revista Sinopse. Revista de cinema editada pelo cinema da USP e a FICs, da qual é também diretor.

Concluiu o mestrado em Cinema pela ECA/USP em 2004 com a dissertação: A imagem Digital e o Cinema de Ficção Contemporâneo: duas possibilidades estéticas a partir do Dogma 95.


Realizou a curadoria das mostras de cinema 30 anos de Prêmio Estímulo – promovida pela Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo e Museu da Imagem e do Som – MIS em 2003; e A fotografia no Cinema Brasileiro realizada pelo Centro Cultural Banco do Brasil – São Paulo no mesmo ano.

* Para conhecer mais, visite o site do professor: www.mauriciohirataf.com.br

Postado por Nattércia Damasceno

CINEMA produções da semana

Nucleo de Arte e Cultura

Semana de intensas produções com o mestre Kodato.
Demos inicio às gravações do projeto “Poesias Interpretadas”.

post by: Bruno Miranda

Reunião do Núcleo de Arte e Cultura – “Olhares Cantados”

Ontem,
dia 30.09 às 19h tivemos a primeira reunião do projeto “Olhares Cantados” do Núcleo de Arte e Cultura.
Estiveram conosco as bandas Filomedusa e Camundogs para discutirmos o processo de Pauta e Roteirização dos clipes.
A reunião aconteceu no Café Teatro, com a presença do mestre em fotografia Lúcio Kodato, os integrantes do núcleo; Isabelle, Bruno e Nattércia, a Walquíria, além dos integrantes das duas bandas presentes.
Logo após a reunião fomos assistir à gravação do Dvd acústico do Camundogs no Teatro Hélio Mello.

A partir desta quinta feira, daremos início às gravações do projeto “Poesias Interpretadas”.
Foram selecionadas 05 poesias de poetas Acreanos.
As interpretações ficarão por conta do grupo de teatro do curso da Usina de Arte.

MiraKabronzs

post by: Bruno Miranda

Lúcio Kodato

Nosso próximo oficineiro da semana que vem, voltando ao Acre é o querido e renomado LÚCIO KODATO. Aqui vai seu imenso acervo de produção::

 

Nascimento: 29 Março 1947, São Paulo, Brasil,

Carreira: Inicia como Fotógrafo em 1969: “Jornal Artes”, “O Estado de São Paulo”, “Jornal da Tarde” e “Bondinho”. Assistente de câmera em 1970 para Diretores de Fotografia como

Carlos Egberto Silveira e Hélio Silva ABC. Em 1972 teve a oportunidade de fotografar o curta-metragem “… / Reticências” – dir. José de Anchieta, desde então fotografou inúmeros longas, curta metragens, comerciais, documentários, “music vídeo”, foi um dos membros fundadores (2000), vice-presidente (2004-2005), é o atual presidente da ABC (2006-2007) (Associação Brasileira de Cinematografia)

Prêmio: XIV Festival de Cinema de Brasília “Melhor Fotografia” (Xingu / Terra),

  • __ Filmes:

1975 “Nordeste: Cordel, Repente, Canção”, dir. Tânia Quaresma – documentário

1976 “Doces Bárbaros”, dir. Jom Tob Azulay, op. câmera adicional

1976 “À Flor da Pele”, dir. Francisco Ramalho Jr.

1980 “Os Anos J.K. – Uma Trajetória Política”, dir. Silvio Tendler

1981 “Xingu / Terra”, dir. Maureen Bisilliat

1983 “O Beijo da Mulher Aranha” dir. Hector Babenco, 2º op. câmera. DoP Rodolfo

Sánchez, ABC

1984 “Jango”, dir. Silvio Tendler

1985 “Floresta das Esmeraldas”, dir. John Boorman, 2ª unid. DoP, DoP Philippe Rousse-

lot, ASC, AFC

1986 “Luar sobre o Parador”, dir. Paul Mazursky, 2ª unid. DoP, DoP Don McAlpine, ASC,

ACS

1996 “Todos os Corações do Mundo, dir. Murilo Salles

2006 “Canta Maria”, dir. Francisco Ramalho Jr.

2005 “A Ilha do Escravos”, dir. Francisco Manso (em pós produção)

2006 “Eu Prefiro a Maré”, dir. Lúcia Murat (em pós produção)

  • __ Televisão:

1973 “Pacífico Atlântico, 3ª Classe”, dir. Roberto Santos

1973 “Rio Negro”, dir. Roberto Malzoni Filho e Lúcio Kodato

1978 “Caramuru”, dir. Francisco Ramalho Jr. (Piloto, não exibido)

1991 “Acústico MTV” (Barão Vermelho, Legião Urbana)

1992 “Acústico MTV” (Seal, João Bosco)

1997 “Sede de Peixe – Milton Nascimento”, dir. Carol Jabor e Lula Buarque

2003 “A Diarista”, dir. José Alvarenga (piloto)

2003 “Papo de Anjo”, dir. José Alvarenga (piloto)

2003 “Sob Nova Direção”, dir. Mauro Farias (piloto)

  • __ Curta- Metragens:

Diversos com diretores como José de Anchieta, Roberto Santos, Flávia Moraes,

Maurice Capovilla, Rachel Monteiro, Fernando Grostein Andrade

  • __ Documentários:

Vários com diretores: Francisco Ramalho Jr., Roberto Santos, Flávia Moraes,

Maurice Capovilla, Sylvio Back, Leon Hirszman, Ugo Giorgetti (2ª Câmera – principal

Rodolfo Sánchez)

  • __ Vídeo Music / Dvd

Para artistas como: João Gilberto, Paul Simon, Julio Iglesias, Chayanne, Lenine, Djavan

Daniela Mercury, Sandy & Junior, Chitãozinho & Xororó, Skank, Yamandú Costa, Cidade

Negra, Paralamas do Sucesso, Jobim Sinfônico, 100% Favela (Associação Periferia Ativa)

  • __ Comerciais

Clientes: Nestlé, Toyota, Volkswagen, GM, Ford, Mercedes Benz, Renault, Embratel,

McDonald´s, Ambev, TIM, Globo News

  • __ Atividades Diversas:

Visita da Sua Santidade Dalai Lama a São Paulo (2006) – Coordenador técnico: iluminação, vídeo (captação para futuro DVD), Palestras sobre a tecnologia HD (High Definition) (2006) Iluminação do espaço da Cinemateca Brasileira durante o 62º Congresso da FIAF (Federação Internacional de Arquivos de Filmes) (2006), Iluminação da exposição Cinemateca Futebol Clube fotografias de Dimitri Lee e pinturas de José Zaragoza (2006), Usina de Artes João Donato – Rio Branco Acre – curso de cinema (2007)

 post by: Bruno Miranda

Eduardo Valente

.:. Estive pensando e pesquisando em tão grande e notável nível são nossos professores “oficineiros” do curso de cinema. Então resolvi compartilhar a bagagem cultural de produções e trabalhos, começando por Eduardo Valente.

:: Quem é Eduardo Valente? ::

Já foi divulgado o nome do diretor do novo clipe dos hermanos “Condicional”, será o carioca Eduardo Valente, 29 Anos, o mesmo diretor do DVD ‘Los Hermanos no Cine íris’, poucas pessoas ainda pouco sabem sobre este jovem e talentoso cineasta.

O seu trabalho envolvendo Los Hermanos começou um pouco antes da realização do ‘Cine Íris’, Eduardo dirigiu e escreveu 2 curtas-metragens “Castanho” e “Um sol alaranjado” cuja trilha sonora é toda voltada pros hermanos…

O diretor Eduardo Valente é formado em cinema pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Cursa atualmente o mestrado em Comunicação e Estética do Audiovisual na Universidade de São Paulo (USP), com projeto sobre a produção cinematográfica nos cursos de cinema das universidades brasileiras, ao longo da década de 90. Atualmente Eduardo é professor do Instituto Brasileiro do Audiovisual – Escola Darcy Ribeiro, na cadeira Crítica e Cinema.

 

Eduardo também faz o editorial do site Contra Campo. “www.contracampo.com.br”
e edita o site de crítica de cinema Revista Cinética (www.revistacinetica.com.br)

Poucos sabem, mas Eduardo Valente foi premiado o curta “Um sol alaranjado” no Festival Internacional de Cannes, o maior festival de cinema do mundo, com o primeiro prêmio na mostra Cinefondation (pra filmes de escola). Mas não foi só isso, “Um Sol Alaranjado” (2001) além de mais de 10 prêmios em festivais nacionais (entre eles melhor curta no Cine Ceará e Festival de Recife, e melhor diretor em Gramado, Brasília, Ceará e Recife) e de ter sido exibido em mais de 20 festivais internacionais.

Filmografia:

2002 – Castanho
2002 – God.O.TV
2002 – O Metro Quadrado
2001 – Um Sol Alaranjado
1997 – Gaivotas – Tragédia em 5 Olhares

TV:
Aventuras da Teca, série infantil no canal Futura.
Eduardo coordenou os roteiros.

Para quem quiser conhecer mais o trabalho do Eduardo, pode dar uma conferida no site Porta Curtashttp://www.portacurtas.com.br” e assistir os curtas “Castanho” e “Um sol alaranjado”, e na revista de crítica de cinema: Revista Cinética (www.revistacinetica.com.br)

post by: Bruno Miranda 

Núcleo de Arte e Cultura

Equipe: Belchior, Bruno Miranda, Isabelle e Natércia.

 

1)

“O QUE É CULTURA E ARTE”


TEMA/PAUTA:

Diferentes visões sobre o que é cultura; com opiniões de quem faz cultura e de quem consome cultura.

DESENVOLVIMENTO:

Capturar essas falas em locais diversos da cidade de Rio Branco com entrevistas pré-agendadas e enquetes de rua.
Spots de 1’30 a 3’.

ESTRUTURA TÉCNICA:

– Câmera filmadora
– Microfone Capela ou Boom
– 02 pontos de luz e 01 rebatedor

 

2)

“POESIAS INTERPRETADAS”

TEMA/PAUTA:

Poesias Acreanas interpretadas por atores do curso de teatro da Usina.

DESENVOLVIMENTO:

Pesquisa de poetas e poesias, seleção de atores, cenário, trilha sonora.

ESTRUTURA TÉCNICA:

– Câmera filmadora
– Microfone Capela ou Boom
– 04 pontos de luz e 01 rebatedor

 

3)

“Olhares Cantados”

TEMA/PAUTA:

Cena musical da cidade de Rio Branco. A proposta é desenvolver um filme que mostra por meio da música a cidade de Rio Branco, seus moradores e o ponto de vista autoral de produtores de cultura local.

Um mini clipe será desenvolvido, a entrevista no local que é descrito pela letra, e o olhar do autor sobre o ponto da cidade que o inspirou formam o material necessário para o filme.

DESENVOLVIMENTO:

Autores e bandas são convidados a ir ao local da cidade citado em suas músicas. A partir desse local o músico imprime sua visão. A Câmera será dada para o convidado que poderá por meio da lente registrar seus pontos de inspiração para letra e a sonoridade, interagindo com o público.

ESTRUTURA TÉCNICA:

– Máquina fotográfica
– Câmera filmadora
– Microfone p/ captação
– 04 pontos de luz

 

4)

“LOCAIS (arquitetura) ”

TEMA/PAUTA:

Fazer uma viagem visual contrapondo a arquitetura do passado à de hoje.

DESENVOLVIMENTO:

Trabalhar a fotografia dentro de ângulos e planos de filmagem na arquitetura.
Trabalhar com imagem estática de arquivo para montagem de um filme que faça uma viagem audiovisual pela cidade de Rio Branco.

ESTRUTURA TÉCNICA:

– Máquina fotográfica
– Câmera filmadora
– 02 pontos de luz

 

5)

“METÁFORAS VISUAIS”

TEMA/PAUTA:

Vinhetas (15” 30” 45”) construtivas, informativas, críticas abordando várias temáticas.

DESENVOLVIMENTO:

Trabalhar com imagens,Design Gráfico e Áudio para formar pequenos “Drops” em intervalos.

ESTRUTURA TÉCNICA:

– Câmera filmadora
– Câmera digital
– Software de design gráfico, edição e efeitos de áudio e vídeo.

 

6)

TV/WEB

Todo nosso material será produzido em grandes e pequenos formatos para trabalhar para ser veiculado na TV e na Internet “Web2.0”.

 

Entradas Mais Antigas Anteriores Próxima Entradas mais recentes