Fundação de Cultura Elias Mansour abre exposição coletiva de Artes Visuais no Salão das Artes

A Fundação de Cultura Elias Mansour (FEM) realizará nesta quinta-feira, 6, às 19h, o vernissage da exposição coletiva Reexistência Resistência Resistir, que tem curadoria dos artistas plásticos Darci Seles e Luiz Carlos Gomes.

Esta exposição é a primeira edição do projeto Visualidades Permanentes, idealizado pela FEM com o objetivo de abrir espaço para que obras e ações de formação em diferentes linguagens artísticas possam ser apresentadas e oferecidas à população local de forma gratuita e permanente.

O vernissage acontecerá no Salão das Artes, espaço anexo ao prédio da FEM, assim como todas as outras ações do Projeto Visualidades Permanentes, que em cada mês trará um trabalho artístico de diferente modalidade: exposição de artes plásticas, instalações, performances de teatro e dança.

A proposta de a galeria Juvenal Antunes funcionar como um salão para agregar diferentes linguagens artísticas nasceu em dezembro de 2020, quando o espaço foi recuperado para abrigar o presépio de papel da Fundação Elias Mansour e uma exposição de pinturas do artista plástico Marco Lenísio.

Ainda naquele mês o salão recebeu uma exposição de aquarelas e uma perfomance teatral, ambas atividades desenvolvidas pelos alunos dos cursos livres da Usina de Arte João Donato, equipamento cultural da FEM.

Reexistência Resistência Resistir apresenta obras de 19 artistas plásticos de variadas vertentes, técnicas e trajetórias, que produzem continuamente em nossa cidade, cada um com seu olhar, traço e poética própria. As obras estarão expostas no período de 6 de fevereiro a 6 de março, promovendo um encontro simultâneo de diferentes experiências vividas para compartilhar visualidades e afetividades.

Para os artistas que participam da exposição, além de uma oportunidade de tornar seus trabalhos conhecidos do público, ela é uma provocação à reflexão sobre  como, socialmente, nosso país tem construído a identidade do artista e a simbologia da arte ultimamente. Admitem que compartilhar o espaço é uma forma de abrir esse diálogo, discutir conceitos e potencializar a resistência diante de um momento em que a arte teima em re-existir no Brasil.

Participam da exposição os artistas: Alexandre Anselmo, Alma, Beth Lins, Danilo de S’Acre, Darci Seles, Francisco Nerilson, Leia Haerdrich, Luiz Carlos Gomes, Luís Eduardo, Marco Lenísio, Murilo Santana, Natalino Santos, Paulo Félix, Paulo Tonon, Rafaela Zanatta, Rosilene Nobre, Ueliton Santana, Ulises Sanchez e Wennedy Filgueira.

Vernissage: 06/02, às 19h

Período de visitação: 06/02 a 06/03/2020

Local: Salão das Artes Horário de visitação: de 8h30 às 12h e de 14h às 17h30, de segunda a sexta-feira

SESC, em parceria com a FEM, oferece oficina de Animação 2D

O Serviço Social do Comércio (SESC), em parceria com a Fundação de Cultura Elias Mansour, comunica a abertura de inscrições para 25 vagas da oficina de Animação 2D, com Ítalo Rocha e Marcelo Zuza. As aulas terão início na segunda-feira, 11, e acontecerão no horário das 08h às 12 horas na Usina de Arte João Donato. Serão cinco encontros ao todo, de 11 a 15 de novembro, com carga horária total de 20 horas.

Durante a oficina, serão trabalhados criação de personagens, princípios da animação, stop motion, desenvolvimento de narrativa e edição de imagem e som. As inscrições vão até sexta-feira, 8.

Público alvo: desenhistas iniciantes, artistas visuais e áreas afins, bem como pessoas interessadas em conhecer sobre como é produzido um desenho animado.

Para realizar a inscrição, basta preencher o formulário disponível no link abaixo:
https://docs.google.com/forms/d/1RgpEgqR_VokqGZ-4sMWfzIxX_5vFyX6YPcI2XTEq8LI/edit

Os candidatos inscritos serão selecionados com base na carta de intenção e currículo. A lista com os selecionados será divulgada no blog da Usina de Arte no dia 09/11.

Mais informações: 3229-6892 / usinadearte.acre@gmail.com

FEM, por meio da Usina de Arte, participa da 3a edição do Seminário de Arte e Educação da UFAC

Consolidando seu papel como instituição promotora e apoiadora da cultura e das artes, a Fundação Elias Mansour, por meio da Usina de Arte João Donato, compõe o time de parceiros do 3° Seminário de Arte e Educação da UFAC, participando ativamente de atividades com a colaboração de profissionais da casa.

O evento ocorre de 18 a 21 de setembro de 2019, de maneira concomitante ao 3º ENREFAEB Norte – Seminário da Região Norte, e é uma realização do Grupo de Pesquisa em Tecnologias Educacionais Inovadoras para a Amazônia (TEIA-UFAC) e do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal do Acre (PPGAC-UFAC), em parceria com a a Federação de Arte Educadores do Brasil (FAEB).

Dentre as inúmeras atividades que irão  acontecer durante os quatro dias de evento, a FEM faz sua estreia na programação com a Exposição Acre Aquarelável, na quarta-feira, 18/09, às 10h. Além disso, no dia 19, acontece a comunicação oral Artes Integradas da Usina de Arte, com início às 13h30. No dia 20, das 8h às 12h, teremos a oficina A xilogravura em seus não lugares e, às 19h, na Mostra Usina Ufac de Arte, a FEM participa com o experimento Vivências Sonoras. Para encerrar a participação no Seminário, dia 20, vai acontecer o experimento sensorial Sentir e deixar fluir, das 8h às 12h, no parque zoobotânico da Ufac.

FEM abre inscrições para curso de artes integradas na Usina de Arte

Você, acreano, já pensou como seria bom passear pelo mundo encantado e encantador das narrativas de cordel e das surpresas literárias dos repentes, ilustrado por xilogravuras e embalado por ritmos percussivos dançantes? Poder fazer uma viagem pelas nossas raízes culturais legadas do Nordeste?! Pois então é chegada a hora de embarcar nesta viagem…

O bilhete é gratuito e pode ser garantido por meio do link https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdeOW90sKIfXAUqB4D2aVaRBhfASz9xbGmVxiidjWglgLfEnw/viewform?vc=0&c=0&w=1 (ficha de inscrição)

E a viagem terá início no dia 01 de julho de 2019. Mas corra, que são poucos os bilhetes!

Vamos esclarecendo…

O governo do Acre, por meio da Fundação de Cultura Elias Mansour, abre inscrições para um Curso de Artes Integradas na Usina de Arte João Donato.

O curso tem como objetivo desenvolver um projeto artístico integrando as linguagens da literatura, das artes visuais, do teatro e da música a partir do estudo e composição de narrativas de cordel e do repente associados à criação de xilogravuras.

O projeto integrado consistirá na montagem de um espetáculo teatral (trabalho final da turma de Iniciação Teatral já em andamento), que terá a dramaturgia criada com as narrativas de cordel da turma de Artes Integradas. O figurino e o cenário serão concebidos esteticamente com as xilogravuras criadas durante o curso. E a paisagem sonora do espetáculo será construída pelos alunos da turma de música, a qual trabalhará ritmos com instrumentos musicais percussivos produzidos com materiais reutilizáveis, sobretudo o papelão.

Este curso, portanto, possibilita um diálogo entre diversas linguagens artísticas – e mais! Possibilita unir valores significativos para a construção da cidadania ao associar arte, meio ambiente e educação.

Pode se inscrever qualquer pessoa com idade a partir de 15 anos, que tenha o ensino fundamental completo e que deseje desenvolver ou aperfeiçoar habilidades relacionadas à composição de cordel e de repentes, às técnicas de xilogravura e aos ritmos percussivos.

A seleção dos inscritos será feita por meio da análise da carta de intenção e do currículo, informações que devem constar na ficha de inscrição. A lista dos candidatos selecionados será divulgada neste blog no dia 29/06/2019. 

A carga horária é de 60 horas e as aulas acontecerão pela manhã, das 8h30 às 11h30, com dois encontros semanais, às segundas e quartas-feiras.

Corre e garanta seu bilhete, que é só até o dia 27 de junho!

As aulas iniciam dia 1° de julho.

5ª Mostra Audiovisual Usina de Olhares

Por pouco, a história da Mostra Audiovisual Usina de Olhares não se confunde com a da própria Usina de Arte João Donato. Isso porque sua primeira edição aconteceu no ano de 2008, quando a instituição contava com apenas dois anos de existência. De lá pra cá, dez anos se passaram e muita coisa aconteceu.
A Usina de Arte consagrou-se como berço de novos artistas e aconchego dos que por aqui já faziam arte desde o século passado.
convite 5 mostra usina de olhares
Nesta edição da Mostra, será lançado o curta-metragem “O que era e não é mais”, produção que resultou de um projeto integrado das turmas de Teatro, Produção de Áudio e Vídeo, Artes Visuais e Documentação Musical ofertadas pela manhã na Usina de Arte entre 2017 e 2018 no âmbito do MedioTec, programa mantido pelo governo federal com o apoio do governo do Acre por meio do Instituto Dom Moacyr.
O roteiro do filme foi construído de forma coletiva e colaborativa entre alunos e mediadores e foi baseado no livro de crônicas Suindara, da escritora acreana Leila Jalul. Personagens saídas de várias narrativas se entrelaçam, nos idos de décadas passadas, de um século passado… gentes e paisagens, sentimentos e acontecimentos se misturam e se confundem com a própria identidade da cidade de Rio Branco.    
“O que era não é mais” traz uma Rio Branco antiga no sobrevoo das memórias da personagem Leila, menina, moça, mulher que vive aventuras, rotinas e histórias nas ruas, rios, barrancos, praças e cinemas entre as décadas de 1950 e 1970. Como disse Juarez Nogueira, “histórias que poderiam ser as histórias da gente” revividas em  “memórias rasantes de afeto.”

Usina de Arte apresenta o espetáculo “Eu Água”, montagem coletiva dos alunos do MedioTec

Imagine um rio que sonha. Enquanto segue seu curso, desviando de obstáculos, lapidando montanhas, distribuindo alguns braços pelo caminho e dando, a si mesmo, novos sentidos, esse rio sonha em ser mar. Alguns vão além e sonham oceano, seguindo seu fluxo até algo mais se tornar, assim como nós, seres humanos, que seguimos com a vida até não mais aqui estar.

Foi seguindo nesse fluxo de sonhos e de vidas, de realidades e de imaginação, que nasceu Eu Água, um espetáculo de teatro de múltiplas linguagens que mergulha fundo nos sentidos, na simbologia e na problemática relacionada à água.

Fruto de um trabalho coletivo dos alunos dos cursos técnicos da Usina de Arte, Eu Água tem direção de Cláudia Toledo e dramaturgia escrita pela atriz Ágata Lima, com colaboração dos alunos do curso técnico de Teatro.

O texto foi construído com referência na obra de artistas brasileiros contemporâneos como Marisa Monte, Caetano Veloso, Maria Bethânia e o poeta Manoel de Barros, cujo poema “O menino que carregava água na peneira” deu à dramaturgia maior poeticidade aos diálogos e às imagens criadas.

Eu Água trata de um tema que está sempre em discussão e nunca deixa de ser atual. Falar de água é falar de vida e de sobrevivência. Por isso, o espetáculo, ao mesmo tempo que convida o público a fazer uma imersão poética nas lembranças de um garoto que tem sua história de vida conectada ao processo de transformação de um rio seguindo seu curso, também provoca uma reflexão acerca do desenvolvimento sustentável e do uso consciente das águas.

O espetáculo serve como vitrine para as habilidades artísticas dos alunos da instituição e é o resultado da prática profissional dos cursos técnicos, ofertados pelo Instituto Dom Moacyr no âmbito do Pronatec/Mediotec.

Serviço:

O quê? Espetáculo Eu Água

Quando: dias 15, 16 e 17 de agosto de 2018

Horário: às 16h (quarta, quinta e sexta)

às 19h (sexta)

Onde: Teatro da Usina de Arte João Donato

Entrada gratuita

Classificação livre

Informações: 3229-6892

Alunos de MedioTec realizam Mostra Coletiva de artes na Usina

A Usina de Arte João Donato acredita nos sonhos. Para nós, parafraseando Raul Seixas, um sonho que se sonha só é só um sonho, mas sonho que se sonha junto é realidade. E, sonhando junto com nossos alunos artistas, ficamos muito felizes em anunciar a I Mostra Coletiva da Usina, evento que celebra o encerramento do III módulo dos cursos técnicos do Mediotec, a ser realizado de 25 a 27 de abril de 2018 .
Com exposição de esculturas, xilogravuras, fotografias e apresentação de vídeo, durante os três dias de evento, os visitantes poderão ter contato com o trabalho desenvolvido pelos alunos dos cursos de Artes Visuais e Processos Fotográficos, além de assistirem aos espetáculos das turmas de Teatro de Rio Branco e uma performance da turma do Bujari. O público ainda prestigiará uma performance musical ao vivo dos alunos de Documentação Musical e a exibição da série Por acaso, obra de ficção produzida pela turma de audiovisual da manhã e um documentário sobre as periferias de Rio Branco produzido pela turma de audiovisual da tarde.
A proposta da Mostra Coletiva se insere no contexto do que vem sendo desenvolvido há onze anos pela Usina de Arte: compartilhar o trabalho desenvolvido pelos alunos, de modo a valoriza-los não só artística, como profissionalmente, tendo em vista a formação técnica que lhes será certificada ao término do percurso formativo.

Entradas Mais Antigas Anteriores