5ª Mostra Audiovisual Usina de Olhares

Por pouco, a história da Mostra Audiovisual Usina de Olhares não se confunde com a da própria Usina de Arte João Donato. Isso porque sua primeira edição aconteceu no ano de 2008, quando a instituição contava com apenas dois anos de existência. De lá pra cá, dez anos se passaram e muita coisa aconteceu.
A Usina de Arte consagrou-se como berço de novos artistas e aconchego dos que por aqui já faziam arte desde o século passado.
convite 5 mostra usina de olhares
Nesta edição da Mostra, será lançado o curta-metragem “O que era e não é mais”, produção que resultou de um projeto integrado das turmas de Teatro, Produção de Áudio e Vídeo, Artes Visuais e Documentação Musical ofertadas pela manhã na Usina de Arte entre 2017 e 2018 no âmbito do MedioTec, programa mantido pelo governo federal com o apoio do governo do Acre por meio do Instituto Dom Moacyr.
O roteiro do filme foi construído de forma coletiva e colaborativa entre alunos e mediadores e foi baseado no livro de crônicas Suindara, da escritora acreana Leila Jalul. Personagens saídas de várias narrativas se entrelaçam, nos idos de décadas passadas, de um século passado… gentes e paisagens, sentimentos e acontecimentos se misturam e se confundem com a própria identidade da cidade de Rio Branco.    
“O que era não é mais” traz uma Rio Branco antiga no sobrevoo das memórias da personagem Leila, menina, moça, mulher que vive aventuras, rotinas e histórias nas ruas, rios, barrancos, praças e cinemas entre as décadas de 1950 e 1970. Como disse Juarez Nogueira, “histórias que poderiam ser as histórias da gente” revividas em  “memórias rasantes de afeto.”

Usina de Arte apresenta o espetáculo “Eu Água”, montagem coletiva dos alunos do MedioTec

Imagine um rio que sonha. Enquanto segue seu curso, desviando de obstáculos, lapidando montanhas, distribuindo alguns braços pelo caminho e dando, a si mesmo, novos sentidos, esse rio sonha em ser mar. Alguns vão além e sonham oceano, seguindo seu fluxo até algo mais se tornar, assim como nós, seres humanos, que seguimos com a vida até não mais aqui estar.

Foi seguindo nesse fluxo de sonhos e de vidas, de realidades e de imaginação, que nasceu Eu Água, um espetáculo de teatro de múltiplas linguagens que mergulha fundo nos sentidos, na simbologia e na problemática relacionada à água.

Fruto de um trabalho coletivo dos alunos dos cursos técnicos da Usina de Arte, Eu Água tem direção de Cláudia Toledo e dramaturgia escrita pela atriz Ágata Lima, com colaboração dos alunos do curso técnico de Teatro.

O texto foi construído com referência na obra de artistas brasileiros contemporâneos como Marisa Monte, Caetano Veloso, Maria Bethânia e o poeta Manoel de Barros, cujo poema “O menino que carregava água na peneira” deu à dramaturgia maior poeticidade aos diálogos e às imagens criadas.

Eu Água trata de um tema que está sempre em discussão e nunca deixa de ser atual. Falar de água é falar de vida e de sobrevivência. Por isso, o espetáculo, ao mesmo tempo que convida o público a fazer uma imersão poética nas lembranças de um garoto que tem sua história de vida conectada ao processo de transformação de um rio seguindo seu curso, também provoca uma reflexão acerca do desenvolvimento sustentável e do uso consciente das águas.

O espetáculo serve como vitrine para as habilidades artísticas dos alunos da instituição e é o resultado da prática profissional dos cursos técnicos, ofertados pelo Instituto Dom Moacyr no âmbito do Pronatec/Mediotec.

Serviço:

O quê? Espetáculo Eu Água

Quando: dias 15, 16 e 17 de agosto de 2018

Horário: às 16h (quarta, quinta e sexta)

às 19h (sexta)

Onde: Teatro da Usina de Arte João Donato

Entrada gratuita

Classificação livre

Informações: 3229-6892

Alunos de MedioTec realizam Mostra Coletiva de artes na Usina

A Usina de Arte João Donato acredita nos sonhos. Para nós, parafraseando Raul Seixas, um sonho que se sonha só é só um sonho, mas sonho que se sonha junto é realidade. E, sonhando junto com nossos alunos artistas, ficamos muito felizes em anunciar a I Mostra Coletiva da Usina, evento que celebra o encerramento do III módulo dos cursos técnicos do Mediotec, a ser realizado de 25 a 27 de abril de 2018 .
Com exposição de esculturas, xilogravuras, fotografias e apresentação de vídeo, durante os três dias de evento, os visitantes poderão ter contato com o trabalho desenvolvido pelos alunos dos cursos de Artes Visuais e Processos Fotográficos, além de assistirem aos espetáculos das turmas de Teatro de Rio Branco e uma performance da turma do Bujari. O público ainda prestigiará uma performance musical ao vivo dos alunos de Documentação Musical e a exibição da série Por acaso, obra de ficção produzida pela turma de audiovisual da manhã e um documentário sobre as periferias de Rio Branco produzido pela turma de audiovisual da tarde.
A proposta da Mostra Coletiva se insere no contexto do que vem sendo desenvolvido há onze anos pela Usina de Arte: compartilhar o trabalho desenvolvido pelos alunos, de modo a valoriza-los não só artística, como profissionalmente, tendo em vista a formação técnica que lhes será certificada ao término do percurso formativo.

Arte moldada em argila

A última quarta-feira
Foi o Dia Mundial da Poesia
Nele nos inspiramos nesta sexta
Para sair um pouquinho da rotina

E para falar um pouco sobre a vida.
Sobre a vida imitar a arte
Sobre a dificuldade de ser artista
Aquele que vive, mas ninguém sabe
Do que ele guarda por detrás das cortinas.

Mas o que é a vida, não é verdade
Se não a mais completa de todas as poesias?
Ela está na natureza e na naturalidade
Das pessoas, de suas vozes, das melodias.

Ela está nas esculturas, porque não?
Retratos moldados à cães, gatos e gatinhas.
Nossas mascotes serviram de inspiração
Essa semana esculpiram a Catarina.

Quem deu ideia foi um novo professor, Alex
Que com o João, a Alzerina e o André Felipe
Compõem o quadro do programa Mediotec
E esses dias se integraram à nossa equipe.

É gente nova chegando no pedaço
Trazendo junto ainda mais poesia:
Uns vêem alunos moldando cães e gatos
Nós vemos surgir uma nova geração de artistas.

Com a trilha sonora mais clichê de todas
Compartilhamos um pouquinho desses dias
Em que os nossos escultores e escultoras
Trabalharam com as mãos e com argila.

Estudantes do curso de Artes visuais trabalham com esculturas

Nossos alunos de Artes Visuais estão trabalhando com esculturas neste módulo. O mediador do curso, Jesaias Texeira, explica que todo o conhecimento adquirido de traço, linhas, anatomia e geometria são postos em prática da maneira mais delicada possível para reproduzir formas e detalhes nas esculturas. Confira a galeria.

 

Imagem

Gosta de escultura?

Algumas das esculturas que nossos alunos de Artes Visuais estão trabalhando.

O curso técnico de artes visuais do Mediotec, ofertado pelo IDM na Usina de Arte, é abrangente e dá uma ótima base para o processo de aprendizagem das técnicas artísticas, explica o Mediador Jesaias Texeira de Oliveira.

As peças produzidas abaixo são modeladas com gotículas que amolecem o barro, permitindo que se modele indefinidamente, desde que não seque. Molha-se delicadamente as pontas dos dedos e com capricho aplica-se a técnica,buscando a forma. Pode levar horas até que o resultado esperado seja realizado, o barro (a escultura) traduz o pensamento. A escultura é uma conquista da mente,através da paciência.

Vamos colorir? Usina de Arte participa da Mostra Viver Ciência

Venha pintar com cores extraídas da natureza: pigmentos naturais

A Usina de Arte convida toda a comunidade a prestigiar os projetos científicos dos alunos das escolas públicas e privadas do estado.

Nesta quarta e quinta-feira, os trabalhos estão expostos na III Mostra Científica Viver Ciência, realizada pela Secretaria de Educação e Esporte, no Campus da Ufac.

viver_ciencia_interno_materia

A Usina de Arte mais uma vez participa da Mostra na categoria Ciência do Cotidiano, trazendo as cores das tintas. Num trabalho colaborativo,  professores e alunos preparam tintas naturais sintetizadas com argila extraída por eles mesmos de paredões na BR 364.

C2A5E1B1-7491-4400-8D98-C87C1C68596A

Com o barro bruto, em pedra, livre de pedregulhos e raízes de plantas, os alunos colocaram a mão na massa para triturá-lo, separaram por cor, peneiraram até transformar em pó, obtendo assim pigmentações diversas, que misturadas à cola e água, tornaram-se excelentes tintas: naturais, baratas e ecologicamente corretas.

Além de tintas  produzidas com argila, os alunos também produziram pigmentos a partir de essências de açafrão, cebola, beterraba, louro, ovo, café, etc.

O professor Jesaias Texeira explica que o objetivo é “mostrar a riqueza de produtos naturais que podem ser usados como tinta, eliminando assim misturas químicas,  geralmente metais pesados que são usados na composição de tintas.”

Nosso stand no Viver Ciência é uma exposição interativa onde o público interage criando suas próprias cores e pintando obras únicas. Venha nos visitar.

Entradas Mais Antigas Anteriores