QUEIMADAS – PERFORMANCE EXPERIMENTAL

Nesta quinta-feira, 26, às 18h, na Usina de Arte, os educandos dos cursos técnicos/PRONATEC da Usina apresentarão uma Performance Experimental.

A Usina de Arte adota como prática pedagógica a metodologia de aprendizagem por projetos integrados, sobretudo no desenvolvimento dos cursos técnicos, com o objetivo de estimular os educandos a atuarem como sujeitos ativos no processo de aprendizagem.

Nossos atuais cursos técnicos em execução estão finalizando o primeiro módulo de estudos, intitulado Laboratório de Sensibilização e Integração das Áreas, cujas competências foram desenvolvidas por meio de uma experimentação integrada com a participação dos mediadores e educandos das quatro áreas (Teatro, Música, Artes Visuais e Audiovisual). O tema escolhido para a realização do projeto foi “Queimadas” com a idéia de apresentar artisticamente as conseqüências que elas provocam no meio ambiente. As turmas foram divididas em grupos para trabalhar elementos diferentes relacionados ao tema: a floresta, o ar, as cinzas e o fogo.

As experimentações resultaram em uma performance itinerante construída por meio de instalações, ambientações sonoras e atuações cênicas que ocuparão os silos, o restaurante das caldeiras e o ateliê. A metodologia utilizada permitiu que os educandos se tornassem sujeitos ativos em todas as etapas do processo, pois foram postos na condição de coautores do trabalho, sugerindo idéias, propondo intervenções, construindo objetos e cenários.

Os cursos técnicos são ofertados no âmbito do PRONATEC, com parceria do Governo do Estado do Acre, e têm como ofertantes o Instituto Dom Moacyr e a Fundação de Cultura Elias Mansour.

 

 

ESPETÁCULO AS CANÇÕES QUE VOCÊ DANÇOU PRA MIM NA USINA DE ARTE JOÃO DONATO

A Focus Cia de Dança, ao som de Roberto Carlos, encerra a circulação patrocinada pelos Correios na cidade de Rio Branco no Acre

A Focus Cia de Dança obtém grande sucesso de crítica e público com o seu espetáculo “As canções que você dançou pra mim”, dirigido e coreografado por Alex Neoral.

cena do espetáculo

Quatro casais são embalados por um grande “pot-pourri” com 72 canções interpretadas pelo grande cantor e compositor Roberto Carlos. Músicas que marcaram épocas e que já se tornaram clássicos da MPB aparecem agora como mote principal para mais uma produção da Focus.

O trabalho revisita seus grandes sucessos como: Detalhes, Outra vez, Desabafo, Cama e mesa, O calhambeque, entre outros eternos clássicos, que compõem essa trilha que passa pelas décadas de 60 a 90, onde Roberto pôde alcançar várias gerações com canções que misturam e exaltam sentimentos, falam de amor e relações, exageram na musicalidade e abusam do bom humor.

As canções que você dançou pra mim foi eleito pelo Jornal O Globo como um dos 10 melhores espetáculos de 2011 e em 2012 pelo Guia da Folha de São Paulo, sendo um dos 3 melhores pela originalidade e simplicidade na opinião do júri especialista.

Além das apresentações, a Cia também realizará na Usina de Arte, dia 14 de novembro (sábado), das 14 às 17 horas, uma oficina gratuita de Dança Contemporânea. As vagas são limitadas e as inscrições podem ser feitas até o dia 07/11 com o envio do currículo para o e-mail focusciadedanca@gmail.com. O público alvo são bailarinos profissionais. Os selecionados serão comunicados via email no dia 10/11.

Serviços:

ESPETÁCULO

As canções que você dançou pra mim, da Focus Cia de Dança
Quando? dias 13, 14 e 15 de novembro de 2015
Horário? 6ª e sábado às 20h
domingo às 19h
Onde? Usina de Arte João Donato, Avenida das Acácias, nº 1.155, Bloco B – Bairro Distrito Industrial

Ingressos à venda no local – 1 hora antes do espetáculo
Ingressos:
20,00 (inteira) | 10,00 (meia) | 5,00 (classe artística devidamente identificada)

Informações: (68) 3229-6892

OFICINA

Dança Contemporânea
Quando? dia 14 de novembro de 2015

Horário? de 14h às 17h

Onde? Usina de Arte João Donato
Patrocínio: Correios
Patrocinadora da Cia: Petrobras
Produção: Neoral Garcias Produções Artísticas

Atenção!

Inscrição até 07/11 através do email: focusciadedanca@gmail.com

Oficina A Fisicalidade no Trabalho do Ator com Renata de Lélis & Workshop de Direção e Interpretação com Camilo de Lélis

A oficina A fisicalidade no trabalho do ator tem como princípio a investigação da presença cênica a partir de partituras físicas. Buscaremos oportunizar o encontro do ator com o seu corpo evidenciando suas potencialidades. Para tanto, será utilizado métodos de Laban e Viewpoints. Propõe um processo aberto de investigação sobre o corpo e suas potencialidades. Por meio de exercícios de treinamentos físicos, jogos, experimentações e criações cênicas, pretende-se compartilhar uma série de procedimentos que podem potencializar a expressividade do ator, além de desenvolver alguns aspectos de sua prática de acordo com as implicações do termo “fisicalidade”, investigado pela atriz-bailarina Renata de Lélis em seu processo de trabalho.

SOBRE A MINISTRANTE

Renata de Lélis é atriz, bailarina e performer. Graduada em Teatro: Licenciatura na UERGS, (Universidade Estadual do Rio Grande do Sul), Mestra em Performance Artística – Dança na FMH – UTL (Faculdade de Motricidade Humana da Universidade Técnica de Lisboa). No ano de 2009, em que residiu em Lisboa, atuou como atriz-bailarina em “Maiko” da CIA portuguesa Inestética e protagonizou o Vídeo-dança “GAPS” de Zé Pires. Desde 2007 dança no Ânima Cia de Dança da Coreógrafa Eva Schul, como bailarina-criadora de “Tão Longe, Tão Perto, Tão perto Tão…” recebem o prêmio Klauss Vianna de circulação 2011. Participou de diversos espetáculos Teatrais, Curtas e Longas-metragens. Em 2011 atuou em “Velasques e a teoria quântica da gravidade” e “Homens de Bem” de Jorge Furtado. Recebendo cinco prêmios como atriz de teatro e cinema ao longo de sua carreira, sendo os últimos: Prêmio Açorianos de Melhor Atriz Coadjuvante 2010 por “Milkshakespeare” e Prêmio de melhor atriz de curta-metragem em Gramado 2007 por “Um Aceno na Garoa”.

INSCRIÇÕES: https://docs.google.com/forms/d/1PDpxItT1GdXcP2sTyX5i-HSW7yh5VUnv50UiQFjKf9U/viewform

(encerram dia 26/10/2015)

DATA: 28 de outubro de 2015

HORA: de 9h às 12h, no teatro da Usina de Arte

DURAÇÃO: 3 horas

Nº DE VAGAS: 30

PÚBLICO ALVO: Artistas, estudantes de artes, bailarinos, interessados em artes cênicas, com ou sem experiência, com idade a partir de 16 anos.

Workshop “Da Grécia ao Pós-Dramático” & “Diálogos sobre a Direção de Teatro”

O Workshop “Da Grécia ao Pós-Dramático” & “Diálogos sobre a Direção de Teatro”, com 1 hora de duração, tem como objetivo propiciar a profissionais, estudantes de teatro e interessados um espaço de reflexão e intercâmbio criativo de ideias e troca de conhecimento, produzindo novos olhares, reflexões e pensamentos.

Tópicos a serem abordados:

– A encenação como processo de leitura e reescritura do texto dramático.

– O texto como elemento de discussões no espaço cênico. Interpretações, inter-relações, diálogos e tensões entre as diferentes linguagens da cena.

– O dramaturgo/diretor. Textos escritos a partir da cena. Improvisação como motor de  criação do texto dramático.

– O texto dramático tem valor hegemônico na cena? Outras linguagens da cena são subordinadas ao texto? Modos de relação autor-diretor.

– A encenação a partir do texto ultracontemporâneo ou pós-dramático(textos a partir do ano 2000): O texto como ponto de partida do processo de encenação.

DATA: 29 de outubro de 2015

HORA: de 14h às 15h, no teatro da Usina de Arte

SOBRE CAMILO:

Camilo de Lélis começou suas atividades teatrais em Porto Alegre, na década de 80, quando fundou a Cia Teatral Face & Carretos e, desde então, tem mantido um trabalho constante que abrange espetáculos adultos, infantis, teatro de bonecos e de rua. Destacam-se O Ferreiro e a Morte, Macário, o Afortunado, O Estranho Senhor Paulo, A Bota e a Meia e Mehrda, Presidentas, agraciados com o troféu Açorianos em várias categorias.

No Brasil, O Estranho Senhor Paulo apresentou-se no Acre, Amapá, Amazonas e Pará. A Bota e Sua Meia fez apresentações no Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Acre. O Ferreiro e a Morte e Mehrda e Presidentas fizeram temporada no Rio de Janeiro. No exterior, destacam-se as apresentações de Mehrda, Presidentas (Montevidéu, 2001) e Jacobina (Montevidéu 1996); O Estranho Senhor Paulo (Buenos Aires, 1997); A Bota e Sua Meia (Coimbra em 2003,Projeto Cena Lusófona e Munique em 1998).

As encenações de Camilo de Lélis foram objeto da monografia Carnaval, Encenação e Teatro Gaúcho, premiada no Concurso Nacional de Monografias Gerd Bornheim, da Secretaria de Cultura de Porto Alegre. A obra foi publicada em 2007, registrando em livro a contribuição desse encenador para o teatro.

Seus mais recentes trabalhos de direção são: As Quatro Direções do Céu, de Roland Schimmelpfenig (2015) – Prêmios: Fumproarte 2014 e Prêmio Braskem em Cena 2015; OMonstro de Olhos Verdes, de Walmir Ayala (2013) – Prêmios: Fumproarte e Prêmio Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2014 para circulação no norte do Brasil; Landell de Moura, o Incrível Padre Inventor, de Hercules Grecco (2012) – Prêmio Funarte Procultura 2012.

Espetáculo Monstro de Olhos Verdes, ou por quem morrem as pombas? na Usina de Arte

cena do espetáculo                                cena do espetáculo

O Monstro de Olhos Verdes, ou por quem morrem as pombas? é uma história ambientada em uma praça pública, onde um casal de namorados vive um feliz romance – como dois “pombinhos” – enquanto nesse mesmo lugar um jovem assassino se refugia da polícia e uma estátua cria vida e se manifesta, contando a história de Branca de Neve, com detalhes de terror e loucura.

Em cada uma das cidades estão previstos workshops de interpretação com o grupo. Vencedora do Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2014, a montagem é definida pelo diretor como uma fábula para adultos.

SERVIÇO:

Turnê de “O Monstro de Olhos Verdes”. Direção de Camilo de Lélis
Entrada: franca
Recomendação etária: 12 anos
Duração: 1 hora

PROGRAMAÇÃO:
Datas: 28 e 29 de outubro, 20h
Local: Usina de Arte (Avenida das Acácias, 1155, Bloco B, Distrito Industrial, Rio Branco-AC)

4ª MOSTRA USINA DE OLHARES

Depois de agraciar o público com produções audiovisuais em 2008, 2009 e 2011, a Mostra Usina de Olhares chega a sua 4ª edição no dia 2 de julho de 2015 com exibições na Filmoteca da Biblioteca Pública, localizada no centro de Rio Branco. A 4ª Mostra Usina de Olhares traz nove obras, entre documentário, animações e ficção.
CARTAZ IV MOSTRA USINA DE OLHARES 2015A ideia do evento é mostrar ao público produtos de conclusão de cursos de formação inicial e continuada (FIC) e de cursos técnicos ofertados na Usina de Arte João Donato, no âmbito do Pronatec, entre 2013 e 2015. Serão exibidos um média-metragem, De lá pra Cá, e oito curtas-metragens, Crisálidas, Sr. Smith, Um plano para Zion, Simpliciópolis, Raças, O que os ouvidos não ouvem o coração não sente, O Chico Pop e Bito e Outros Contos. (os filmes em 40′ no link https://youtu.be/yq8M_Bpfuyk )
As produções são trabalhos produzidos pelos alunos sob orientação dos mediadores e são resultado de um processo de construção coletiva. Todas tiveram a participação dos alunos desde a escolha do tema e concepção das personagens até a edição final das imagens.

Cena do filme De lá pra cá Cena do filme De lá pra cá

O média-metragem De lá pra cá (2013) tem roteiro inspirado em livros do artista acreano Hélio Melo e é resultado de um projeto artístico que integrou os quatro cursos técnicos da Usina, oferta 2012-2013. O curta Crisálidas registra as intervenções, no centro de Rio Branco, de uma instalação de esculturas realizada por alunos de Artes Visuais da Usina em 2013. Sr. Smith, Um plano para Zion e Simpliciópolis são animações criadas pelos alunos do curso FIC de Roteirista de Animação, oferta 2014. Os filmes tematizam a lida do homem do campo, a existência dos extraterrestres e a rotina simples, tediosa e fatídica da vida humana.

Arte da animação Um plano para Zion Arte da animação Um plano para Zion

Raças, O que os ouvidos não ouvem o coração não sente e Chico Pop são documentários produzidos como atividade de finalização de módulo das turmas do curso de técnico em Produção de Áudio e Vídeo nos meses de abril e maio de 2015. O primeiro é um registro documental sobre os maus tratos e abandono de animais domésticos, sobretudo daqueles classificados com SRD, isto é, sem raça definida; o segundo é resultado de uma pesquisa sobre a Rádio Difusora Acreana, “a voz das selvas”; e o último faz uma abordagem emocionada sobre o ativista e jornalista cultural acreano Chico Pop.

Documentário RaçasDocumentário Raças

Bito e Outros Contos é um curta de ficção produzido como trabalho final do curso técnico em Produção de Áudio e Vídeo com roteiro inspirado em contos da escritora Florentina Esteves. O roteiro do filme possibilita uma viagem ao passado da história do Acre e é todo gravado em chroma key, técnica pouco usada em filmes de ficção aqui em nosso estado, sendo adotada mais por campanhas publicitárias.

Curta de ficção Bito e Outros Contospersonagem do curta Bito e Outros Contos

O evento é uma ação do governo do Acre e governo federal, por meio do Instituto Dom Moacyr e da Fundação Elias Mansour, realizado pelo Núcleo de Produção Digital da Usina de Arte.

Beco do Mijo se apresenta na Usina de Arte João Donato

Beco do Mijo é uma vivência artística que nasceu a partir de processos de criação no Curso de Artes Cênicas da UFAC, quando alguns alunos, cumprindo atividade curricular, escolheram fazer uma releitura do conto Beco do Mijo, da escritora acreana Florentina Esteves.

Cena da vivência “Beco do Mijo” (Foto: Teddy Falcão)

Cena de “Beco do Mijo” (Foto: Teddy Falcão)

O conto de Florentina traz o olhar de uma moradora dos cortiços de Rio Branco, os quais estavam sendo desapropriados para planos de construção das estalagens onde ficariam os Soldados da Borracha, que chegavam em centenas do Ceará, durante a década de 1940.

A vivência Beco do Mijo, como manifestação artística, propõe uma leitura do conto através de uma narrativa física, se dispondo a criar uma atmosfera tanto para o intérprete criador quanto para o público. Uma não hierarquia. Um jogo performático, tendo como referência a dança contemporânea, o minimalismo, as abordagens somáticas, a não representação e as super interpretações, como enriquecimento de repertório para o público intérprete.

Cena da vivência 'Beco do Mijo' (Foto: Bom Dia Amazônia)
Cena da vivência ‘Beco do Mijo’ (Foto: Bom Dia Amazônia)

Durante os ensaios do Beco do Mijo, os atores constroem o espetáculo colaborativamente trazendo referências de estudos e pesquisas pessoais para serem aplicadas em cena.

A proposta da vivência que acontecerá no dia 06 de junho de 2015 é  abrir o processo a todos que tenham o interesse nos elementos do jogo performático que os atores experimentam e que dá forma e organicidade ao trabalho.

Serviço

O quê? Espetáculo Beco do Mijo

Quando? 06/06/2015, às 17h e às 20h

Para quem? comunidade em geral

Onde? Usina de Arte

Aviso: orientamos que os participantes estejam vestidos com roupas confortáveis, pois o processo trabalha com cenas itinerantes. Alertamos que eventualmente as roupas podem ser respingadas com elementos sensoriais como a água, argila e ervas, usados em cena.

Teatro Ânima apresenta o espetáculo ‘A mais forte?’ na Usina de Arte João Donato

Professores da Universidade Federal do Acre (Ufac), Andréa Maria Favilla Lobo e Marcelo da Silva Murilo, reapresentam o espetáculo “A mais forte?”, que estreou em 2012. A reestreia do acontecerá nesta terça-feira, 26 de maio de 2015, às 10h, na Usina de Arte João Donato. A entrada é franca.

A reapresentação faz parte da programação do 1º Encontro de Bolsistas, promovido pela Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (Proaes). Trata-se de uma produção e adaptação do Teatro Ânima Amazônia da peça de August Strindberg, em diálogo com fragmentos do “Livro do Desassossego”, de Fernando Pessoa.

A montagem tem no elenco a atriz e pesquisadora Andréa Favilla, com direção de Brigitte Bentolila e música de André Favilla. Também contou com a colaboração de Antônio Manso (preparação corporal e assistência de direção) e Marcelo Murilo (assistência de direção e manutenção da montagem).

O espetáculo foi financiado pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura, por meio da Fundação Garibaldi Brasil, com apoio da Caixa Econômica Federal e da Ufac.

O espetáculo também será apresentado nesta quarta-feira, 27, às 15h, e na quinta-feira, 28, às 19h, na Usina de Arte João Donato.

(Ascom-Ufac)

Entradas Mais Antigas Anteriores

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 45 outros seguidores