Oficina A Fisicalidade no Trabalho do Ator com Renata de Lélis & Workshop de Direção e Interpretação com Camilo de Lélis

A oficina A fisicalidade no trabalho do ator tem como princípio a investigação da presença cênica a partir de partituras físicas. Buscaremos oportunizar o encontro do ator com o seu corpo evidenciando suas potencialidades. Para tanto, será utilizado métodos de Laban e Viewpoints. Propõe um processo aberto de investigação sobre o corpo e suas potencialidades. Por meio de exercícios de treinamentos físicos, jogos, experimentações e criações cênicas, pretende-se compartilhar uma série de procedimentos que podem potencializar a expressividade do ator, além de desenvolver alguns aspectos de sua prática de acordo com as implicações do termo “fisicalidade”, investigado pela atriz-bailarina Renata de Lélis em seu processo de trabalho.

SOBRE A MINISTRANTE

Renata de Lélis é atriz, bailarina e performer. Graduada em Teatro: Licenciatura na UERGS, (Universidade Estadual do Rio Grande do Sul), Mestra em Performance Artística – Dança na FMH – UTL (Faculdade de Motricidade Humana da Universidade Técnica de Lisboa). No ano de 2009, em que residiu em Lisboa, atuou como atriz-bailarina em “Maiko” da CIA portuguesa Inestética e protagonizou o Vídeo-dança “GAPS” de Zé Pires. Desde 2007 dança no Ânima Cia de Dança da Coreógrafa Eva Schul, como bailarina-criadora de “Tão Longe, Tão Perto, Tão perto Tão…” recebem o prêmio Klauss Vianna de circulação 2011. Participou de diversos espetáculos Teatrais, Curtas e Longas-metragens. Em 2011 atuou em “Velasques e a teoria quântica da gravidade” e “Homens de Bem” de Jorge Furtado. Recebendo cinco prêmios como atriz de teatro e cinema ao longo de sua carreira, sendo os últimos: Prêmio Açorianos de Melhor Atriz Coadjuvante 2010 por “Milkshakespeare” e Prêmio de melhor atriz de curta-metragem em Gramado 2007 por “Um Aceno na Garoa”.

INSCRIÇÕES: https://docs.google.com/forms/d/1PDpxItT1GdXcP2sTyX5i-HSW7yh5VUnv50UiQFjKf9U/viewform

(encerram dia 26/10/2015)

DATA: 28 de outubro de 2015

HORA: de 9h às 12h, no teatro da Usina de Arte

DURAÇÃO: 3 horas

Nº DE VAGAS: 30

PÚBLICO ALVO: Artistas, estudantes de artes, bailarinos, interessados em artes cênicas, com ou sem experiência, com idade a partir de 16 anos.

Workshop “Da Grécia ao Pós-Dramático” & “Diálogos sobre a Direção de Teatro”

O Workshop “Da Grécia ao Pós-Dramático” & “Diálogos sobre a Direção de Teatro”, com 1 hora de duração, tem como objetivo propiciar a profissionais, estudantes de teatro e interessados um espaço de reflexão e intercâmbio criativo de ideias e troca de conhecimento, produzindo novos olhares, reflexões e pensamentos.

Tópicos a serem abordados:

– A encenação como processo de leitura e reescritura do texto dramático.

– O texto como elemento de discussões no espaço cênico. Interpretações, inter-relações, diálogos e tensões entre as diferentes linguagens da cena.

– O dramaturgo/diretor. Textos escritos a partir da cena. Improvisação como motor de  criação do texto dramático.

– O texto dramático tem valor hegemônico na cena? Outras linguagens da cena são subordinadas ao texto? Modos de relação autor-diretor.

– A encenação a partir do texto ultracontemporâneo ou pós-dramático(textos a partir do ano 2000): O texto como ponto de partida do processo de encenação.

DATA: 29 de outubro de 2015

HORA: de 14h às 15h, no teatro da Usina de Arte

SOBRE CAMILO:

Camilo de Lélis começou suas atividades teatrais em Porto Alegre, na década de 80, quando fundou a Cia Teatral Face & Carretos e, desde então, tem mantido um trabalho constante que abrange espetáculos adultos, infantis, teatro de bonecos e de rua. Destacam-se O Ferreiro e a Morte, Macário, o Afortunado, O Estranho Senhor Paulo, A Bota e a Meia e Mehrda, Presidentas, agraciados com o troféu Açorianos em várias categorias.

No Brasil, O Estranho Senhor Paulo apresentou-se no Acre, Amapá, Amazonas e Pará. A Bota e Sua Meia fez apresentações no Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Acre. O Ferreiro e a Morte e Mehrda e Presidentas fizeram temporada no Rio de Janeiro. No exterior, destacam-se as apresentações de Mehrda, Presidentas (Montevidéu, 2001) e Jacobina (Montevidéu 1996); O Estranho Senhor Paulo (Buenos Aires, 1997); A Bota e Sua Meia (Coimbra em 2003,Projeto Cena Lusófona e Munique em 1998).

As encenações de Camilo de Lélis foram objeto da monografia Carnaval, Encenação e Teatro Gaúcho, premiada no Concurso Nacional de Monografias Gerd Bornheim, da Secretaria de Cultura de Porto Alegre. A obra foi publicada em 2007, registrando em livro a contribuição desse encenador para o teatro.

Seus mais recentes trabalhos de direção são: As Quatro Direções do Céu, de Roland Schimmelpfenig (2015) – Prêmios: Fumproarte 2014 e Prêmio Braskem em Cena 2015; OMonstro de Olhos Verdes, de Walmir Ayala (2013) – Prêmios: Fumproarte e Prêmio Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2014 para circulação no norte do Brasil; Landell de Moura, o Incrível Padre Inventor, de Hercules Grecco (2012) – Prêmio Funarte Procultura 2012.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: