V Mostra SESC Amazônia das Artes 2015 – na Usina de Arte

Foto: fonte internet

Foto: fonte internet

O grupo piauiense começou a relacionar a força da gravidade com movimentos do corpo em 2013. Por meio da linguagem em dança contemporânea, fez da sala de dança um laboratório com rigor científico e artístico para, através da investigação, criar uma obra-experimento.

Assim, surgiu o Grave-Grog, um espetáculo que põe em evidência a gravidade e outras discussões a respeito do lugar do corpo. Utilizando de variadas sensações e estímulos, do sensorial ao perceptível, o corpo é o objeto de estudo em cena.

A apresentação será no dia 12 de maio, às 20h, no Teatro da Usina de Arte, com entrada franca. A classificação indicativa para o espetáculo é de 14 anos.

Serviço:

O quê: espetáculo “Grave-Grog”, da Cia Balé da Cidade de Teresina (Piauí)

Quando: 12/05/2015, às 20h

Local: Usina de Arte João Donato (Avenida das Acácias, 1.155, bloco B, Distrito Industrial, Rio Branco-AC)

Ingressos: entrada franca

Classificação etária: 14 anos

Duração: 40 minutos

Ficha técnica:

Realização: Balé da cidade de Teresina | Texto e direção: Samuel Alvis |  Atuação: José Nascimento, Hellen Mesquita, Adriano Abreu, Vanessa Nunes, Jeciane Sousa | Músicas: Samuel Alvis | Figurino e cenografia: Adriano Abreu | Iluminação: Francisca Silva | Operação de luz: Carla Fonseca | Operação de sonoplastia: Samuel Alvis | Confecção de figurino: Adriano Abreu | Fotos: Tito | Designer gráfico: Martins Filho | Treinamento: Carla Fonseca e Samuel Alvis | Consultoria artística: Francisca Silva e Carla Fonseca.

Sobre a CIA. BALÉ DA CIDADE DE TERESINA

Fundado em 1993, o Balé da Cidade de Teresina é uma companhia de dança contemporânea que foi formada a partir de oficinas de dança realizadas no então “Centro Integrado de Arte do Bairro Matadouro” – Teatro do Boi. Desde o começo, a Cia foi mantida pela Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves.

A primeira montagem do grupo foi “Crispim, a Lenda”, coreografia em gênero contemporâneo, assinada pelo então diretor e coreógrafo Sidh Ribeiro, foi inspirada na mais popular lenda do folclore teresinense, “O Cabeça de Cuia”. Este trabalho marcou a estreia oficial do Balé da Cidade de Teresina, no teatro do Boi, em 30 de junho de 1993.

Em 1995, apresenta um “Divertissement” com coreografias de temáticas variadas que iam da utilização do clássico “Bolero de Ravel” ao chorinho “Malandragem”. Começa aqui uma das principais características do grupo, que é estar sempre abrindo espaço para coreógrafos diferentes, trabalhando com profissionais convidados como Cláudia Andrade (CE), Kato Ribeiro (Brasil/França), Marcelo Evelyn (Brasil/Holanda), Malrgozata Haduch (Holanda), Marcelo Pereira (Brasil/Suíça), dentre outros.

A projeção nacional começa em 1996, com a participação no IV Passo de Arte Festival Nacional de Dança do Grande ABC, em São Bernardo do Campo – SP, onde o grupo alcançou quatro prêmios, dentre eles o de melhor coreografia e de conjunto adulto de dança contemporânea para “Fuga”.

Em 1999, o balé participa, com quatro trabalhos, do “V Festival Internacional de Mar Del Plata”, na Argentina, onde é agraciado com sete prêmios, incluindo um menção honrosa pela coreografia “Vida”, criada por Sidh Ribeiro.

Em 2000, a Cia inicia uma turnê pelo Nordeste passando por Fortaleza e Recife e depois participando do VIII Passo de Arte Festival Nacional de Dança (SP) e do Festival de Joinville (SC). Naquele ano, o grupo é aclamado pelo júri do festival como “Melhor Grupo do Festival Internacional de Dança de Joinville”, pelo conjunto de sua obra.

Em 2006, o trabalho coreográfico “Nar Brenha” de José Nascimento foi realizado e continua sendo grande destaque. Logo em seguida, a Cia contratou Marcelo Pereira, pernambucano radicado na Suíça, que montou “Folha D’Agua”, balé que estreia a temporada 2007 da Cia.

Em 2011, começam os ensaios de “Enamorados”, espetáculo encomendado a Ricardo Scheir, coreógrafo paulista, com trilha sonora originalmente composta por Fabio Cardia – SP, que teve sua estreia em agosto de 2012, e o espetáculo “Carmem, O ciúme” de Nazilene Barbosa.

Em 2014, sob a direção da bailarina Carla Fonseca, estamos completando 21 anos, realizando projetos como a estreia de “Grave-grog”, trabalho coreográfico de Samuel Alvis, durante a comemoração dos 20 anos da Casa da Cultura de Teresina e o Projeto 6ª às 6, que durante duas vezes por mês abre as portas da Casa da Cultura para o público.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: