Espetáculo “Inservíveis” encerra temporada neste final de semana na Usina de Arte

As últimas apresentações do espetáculo “Inservíveis” serão nesta sexta-feira, sábado e domingo (dias 28, 29 e 30), às 20h, na Usina de Arte. O projeto nasceu como uma obra coletiva de conclusão de curso, envolvendo a produção dos aprendizes de Artes Visuais, Música e Teatro, do Núcleo de Formação da Usina de Arte, em harmonia com o Grupo XIX de Teatro, de São Paulo. Depois de meses de pesquisa, preparação e ensaios, o público tem a oportunidade de conhecer mais da história de um dos principais equipamentos de cultura do Estado e entender melhor o trabalho de formação que é realizado. A entrada é franca.

As últimas apresentações do espetáculo “Inservíveis” serão nesta sexta-feira, sábado e domingo (dias 28, 29 e 30), às 20h, na Usina de Arte (Foto: Val Fernandes)

As últimas apresentações do espetáculo “Inservíveis” serão nesta sexta-feira, sábado e domingo (dias 28, 29 e 30), às 20h, na Usina de Arte (Foto: Val Fernandes)

Na peça, somos colocados frente a migração compulsória dos nordestinos para o Acre, na década de 1940, em razão da borracha. O governo da República e os Estados Unidos selaram um acordo para garantir que o produto não faltasse durante a Segunda Guerra Mundial, já que era utilizado como matéria-prima para a fabricação de armas. Cabia aos EUA pagar US$ 100 ao Brasil por cada trabalhador entregue na Amazônia.

O acordo desencadeou uma operação em larga escala para extração de látex na região. O Serviço Especial de Mobilização de Trabalhadores para a Amazônia (Semta), sediado em Fortaleza, enviou 54 mil homens, dos quais 30 mil eram do Ceará. Para fazerem a viagem, as famílias eram iludidas pela melhoria de vida. Chegavam com o pensamento de que haviam fugido da seca para ganhar um emprego, terras para plantar e dignidade.

Os novos seringueiros, chamados de Soldados da Borracha, escorregaram para uma vida miserável, com muito trabalho e nenhum reconhecimento. Foram escravizados pelos donos das terras e muitos padeceram com doenças que sequer conheciam. A morte, aliás, é uma das personagens do espetáculo. “Inservíveis” costura esse episódio histórico com as três fases da Usina: começa pelo beneficiamento de castanha, em 1985, passa pelo setor de Bens Inservíveis do Estado e chega ao ambiente como o conhecemos hoje.

IMG_4442

Na peça, somos colocados frente a migração compulsória dos nordestinos para o Acre, na década de 1940, em razão da borracha (Foto: Val Fernandes)

Para auxiliar na criação, produção e montagem, muitos artistas foram convidados para participarem ativamente do processo. Os relatos e debates que dão base aos diálogos vieram do seminário “Usina, Seus Olhares, Histórias e Memórias”. Realizado neste ano, o evento reuniu várias pessoas que ajudaram a construir a história do espaço. “A Usina fechou os portões e repontuou todas as histórias que eram escritas aqui”, explica a atriz Sacha Alencar.

Além do enredo, destaque para as atuações, os cenários e a música. A peça é cheia de grandes cenas, momentos que são proporcionais ao talento dos nossos atores. “Aqui é o lugar de se brincar com o tempo”, comenta João Paulo Alab, que também está no elenco. O projeto é financiado pelos governos federal e do Acre, com patrocínio cultural das empresas Etam Construtora, Camter, JM Terraplanagem e Construções, Fidens, Construtora Cidade e Construmil – Construtora e Terraplanagem.

Confira uma prévia de “Inservíveis”, realizado pelo Núcleo de Produção Digital (NPD) da Usina de Arte, no YouTube. Coordenação de registro e edição de Italo Rocha, com a colaboração de Mariana Braga e Carina Cordeiro.

André Gonzaga (Assessoria FEM)

Fonte: http://www.agencia.ac.gov.br/index.php/noticias/cultura/21137-espetaculo-qinserviveisq-encerra-temporada-neste-final-de-semana-na-usina-de-arte.html?fb_action_ids=409248655808204&fb_action_types=og.likes&fb_source=aggregation&fb_aggregation_id=288381481237582

Imagem

Novos Velhos Sonhos

A Usina de Arte guarda dentro de si uma extensa história. Construída sobre as fundações da antiga Usina de Castanha da Colonacre, abandonada por mais de uma década e transformada num amontoado de lixo e máquinas obsoletas, a partir de 2004 o espaço foi transformado em Lugar de Arte e passou a oferecer cursos de formação e programação artística nas áreas de artes visuais, cinema, música e teatro.

Inaugurada em 24 de abril de 2006, a Usina nasceu da idéia de oferecer um espaço que incentivasse a inteligência coletiva e contribuísse com o fazer artístico e cultural no Estado do Acre. Um espaço onde os jovens artistas pudessem criar com liberdade e sem contestação. Onde o público pudesse ver e sentir a beleza e o encanto das artes.

Seis anos depois de sua inauguração, a Usina, hoje um dos mais importantes equipamentos culturais do Acre, forma a sua segunda turma de artes com a realização do espetáculo Inservíveis ou da inutilidade das coisas deste mundo e de outros, que nasce do desejo de falar sobre as histórias deste lugar, aquelas que nunca foram contadas. Histórias estas que estão na lembrança de quem vive e de quem passou por aqui.O espetáculo é uma obra coletiva que integra múltiplas linguagens artísticas e envolve os alunos dos cursos de Artes Visuais, Música e Teatro, contando com a importante e sensível participação do Grupo XIX de teatro. Foram meses de pesquisa, preparação e ensaios, e diversos foram os colaboradores de diferentes áreas que participaram ativamente da criação, produção e montagem da peça.Inservíveis é resultado do projeto Usina – Da Castanha à Arte, que teve como fio condutor o tripé: Usina Castanha, Usina Depósito e Usina Arte e focou a identidade cultural acreana através do resgate e difusão dos modos peculiares de ser e fazer da cultura local. Neste ano, uma fase de execução do projeto foi um Seminário cujo objetivo foi montar mesas redondas com pessoas que ajudaram a construir a história da Usina em seus três períodos de existência. Os relatos e debates serviram como fonte de inspiração e criação do espetáculo.
Segundo Jorge Larrosa, “a formação é uma viagem aberta, uma viagem que não pode estar antecipada, e uma viagem interior, uma viagem na qual alguém se deixa influenciar a si próprio, se deixa seduzir e solicitar por quem vai ao seu encontro… a experiência formativa e a experiência estética não são transitivas… não vão de alguém para alguém, mas acontecem a alguém com alguém…” É nesta perspectiva de uma viagem aberta, uma viagem que não está finalizada, uma viagem de troca de saberes que pode e deve estar em constante movimento e mudança, que abrimos ao público este trabalho artístico coletivo, na expectativa de que cada apresentação seja mais uma etapa da formação destes artistas aprendizes que hoje fecham um ciclo dentro da Usina de Arte para iniciarem um ciclo na vida das Artes.
Equipe Usina de Arte João Donato

Espetáculo Inservíveis estreia na Usina de Arte nesta sexta-feira

Imagem

(Foto: Val Fernandes)

O espetáculo “Inservíveis ou da Inutilidade das Coisas deste Mundo e de Outros” estreia na sexta-feira, 7, às 20h, na Usina de Arte. A obra é uma ação coletiva que envolve os aprendizes dos cursos de Artes Visuais, Música e Teatro do Núcleo de Formação da Usina de Arte, em harmonia com o Grupo XIX de Teatro, de São Paulo. A entrada é franca.

“Inservíveis é o resultado do projeto ‘Usina – Da Castanha à Arte’, que teve como fio condutor o tripé: Usina Castanha, Usina Depósito e Usina Arte. O foco é a identidade cultural do Acre, o resgate e a difusão dos modos peculiares de ser e fazer da nossa cultura”, explica Francis Mary Alves, presidente da Fundação Elias Mansour (FEM).

A expectativa é de que o público se surpreenda e também participe da trama, mesmo que indiretamente. “Sugerimos o uso de roupas e sapatos confortáveis, já que o espetáculo interage com as pessoas e com o espaço e também reserva algumas surpresas”, comenta Carol Di Deus, diretora da Usina de Arte.

O projeto é financiado pelos governos federal e do Acre, com patrocínio cultural das empresas Etam Construtora, Camter, JM Terraplanagem e Construções, Fidens, Construtora Cidade e Construmil – Construtora e Terraplanagem. Mais informações no site www.usinadeolhares.wordpress.com

André Gonzaga (Assessoria FEM)

Fonte: http://www.agencia.ac.gov.br/index.php/noticias/cultura/20891-espetaculo-inserviveis-estreia-na-usina-de-arte-nesta-sexta-feira.html