ESCOLAS DE CINEMA E ARTE – O que fazer com elas? VII capítulo

 

 No VII capítulo e último da série ESCOLAS DE CINEMA E ARTE – O que  fazer com elas?  Maurice Capovilla, através da experiência incrível vivenciada no Acre, comprova que a esperança é a única que não morre.

 

 Por Maurice Capovilla

VII. A USINA DE ARTE DO ACRE

                          

                        A volta por cima

O Núcleo de Produção Digital da Usina de Arte João Donato devolveu a esperança perdida de se montar um curso livre e regular de cinema sem morte prematura.

  

A Usina de Arte João Donato nasce da visão avançada de um Secretário de Educação, na época o professor Binho Marques, hoje governador do Estado do Acre, ao implantar uma escola de arte em Rio Branco sem um projeto pedagógico antecipado.  O curioso dessa iniciativa foi que a arquitetura, resultado da restauração de antiga fabrica de processamento de castanha, indicava claramente espaços com a destinação certa para uma escola livre de arte, onde poderiam conviver o teatro, o cinema, a música, as artes plásticas, a dança… E o que  considerássemos  arte.

Durante dois anos, entre 2005 e 2006, reuniões mensais foram realizadas com as áreas envolvidas, com  o objetivo de formatar o projeto de uma escola híbrida,  capaz de abrigar as múltiplas linguagens das artes e  preencher um espaço importante de formação artística.  Inaugurada em 24 de abril de 2006, a Usina começa a funcionar regularmente em 2007, com os Núcleos de Teatro, Cinema e Música.

O Núcleo de Cinema começa a se estruturar em meados de 2005, quando a Secretaria do Audiovisual do MinC  lança o Edital do Programa Olhar Brasil, visando criar em 11 estados do país,  através de convênios, os Núcleos de Produção Digital, destinados a implantar centros de formação e produção audiovisual em estados periféricos ao eixo Rio/São Paulo, com repasses de recursos e equipamentos  em alta definição (HD),  na previsão das mudanças  tecnológicas que iriam se implantar na área das Comunicações.

O Acre apresentou um projeto de formação, denominado Curso de Cinema e Vídeo e foi contemplado com um NPD. O projeto obteve em seguida registro na Lei Rouanet, visando patrocínios através de benefícios fiscais e previa um Curso de 2 anos,  com  um enfoque definido.

O Curso se propôs como objetivo principal: “formar realizadores polivalentes, capazes de criar e produzir bens culturais nas áreas do cinema, do vídeo e da televisão, visando a formação integral do estudante para o exercício da criatividade e colocar em prática novos métodos de ensino das artes audiovisuais a partir da concepção de que o conhecimento do mundo moderno e globalizado se transmite através de linguagens, códigos  e tecnologias que tem como suporte a imagem e o som”.

A partir desses princípios germinou a ideia do Curso se implantar como uma oficina de pesquisa voltada para a prática e desenhada para expressar a realidade do Acre.  “O objetivo era abrir espaço para uma nova geração de artistas e realizadores, futuros profissionais ecléticos, capazes de manejar com estilo pessoal, as várias linguagens artísticas audiovisuais com domínio das técnicas que são as ferramentas de expressão do nosso tempo”.

A novidade do projeto é sua formatação. O Curso iniciou-se no segundo semestre de 2007 com 40 alunos e a configuração dos conteúdos programáticos foi baseada em trimestres temáticos, cinco no total. Os três primeiros foram dedicados ao documentário, à linguagem da televisão e à ficção. Os dois últimos foram diluídos entre produção de projetos curriculares e Oficinas de Especialização. As disciplinas foram distribuídas em áreas de abordagem teórica, técnica e prática e foram ministradas em oficinas semanais, regulares, progressivas, modulares e interativas, de modo que, seus conteúdos estivessem diretamente ligados aos temas dos projetos de filmes propostos. A partir da formação polivalente resultante de três trimestres completos, o objetivo do Curso era capacitar especialistas nas diversas áreas, consumadas de forma incompleta em Produção, Edição de Imagem, Fotografia em HD e Captação de Som.  As áreas de Roteiro, Cenografia, Figurinos, Edição em HD, Maquinaria, Elétrica e Direção em Cinema, Vídeo e Televisão serão configuradas para se realizar em 2010.

O curso, encerrado em dezembro de 2009, graduou 19 alunos, que realizaram trabalhos individuais e participaram de projetos coletivos. Ao todo foram realizadas 46 Oficinas de 20 horas semanais perfazendo o total de 920 horas aula e realizados 29 filmes com durações variadas em curta e média metragem. 

Como resultado desse processo, os alunos graduados e outros incorporados, fundaram a Samaúma Cinema e Vídeo, uma associação corporativa preparada para atuar em todas as áreas do audiovisual do Acre, da difusão à produção, da atuação como agentes culturais à formação básica no ensino de segundo grau. Um grupo atuante que dará impulso colateral às iniciativas  levadas a cabo pelas  políticas públicas federais,  estaduais e municipais  na área do audiovisual.

O projeto do NPD ainda contempla a Oficina da Imagem e do Som, um item de interação com a Usina de Arte e com outras áreas artísticas da comunidade cultural, um espaço livre de criação aberto às  artes cênicas, plásticas e musicais  e voltado à produção independente local,  com o objetivo de funcionar como uma usina de ideias e linguagens que se interagem para criar e produzir projetos cênicos, musicais, filmes, vídeos, instalações, programas de rádio e televisão, abastecer os alunos  e os artistas em geral  de métodos e processos de trabalho e suprir suas necessidades de informação e pesquisa. Participarão da Oficina alunos, artistas, professores e realizadores locais integrados na ação de produzir bens simbólicos de reflexão da realidade cultural acreana tendo como epicentro a Imagem e o Som.

Há uma pergunta que se faz até hoje: para que servem as escolas de cinema no Brasil?  Antes respondia prontamente: servem para aglutinar jovens com um desejo imenso de fazer cinema… Agora posso completar:  é na escola que alunos e professores aprendem a aprender… A fazer e a amar o cinema…  Foi o que aconteceu no Acre.  A transformação de jovens com experiência e formação diversas, desconhecidos entre si, selecionados mais pela sensibilidade do que pela informação, que se integram em dois anos e meio no processo de fazer filmes e se formam como verdadeiros cineastas,  capazes de refletir a visão que se tem do Acre para num futuro próximo apresentá-la ao resto do país.

  É para isso que serve uma escola. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: