O Diretor de Cinema Cacá Diegues em Rio Branco

Ae galera, para quem não estava sabendo;

O Cineasta,  Cacá Diegues, 68 anos, estará aqui, hoje dia 19 de agosto, terça-feira na Usina de Artes João Donato, com um bate papo sobre cinema, produções e seu filme “Deus é Brasileiro”.
Deus é brasileiro de 2003, do gênero comédia, dirigido por Cacá Diegues. O roteiro é baseado num conto de João Ubaldo Ribeiro e adaptado por Cacá Diegues, João Emanuel Carneiro e Renata de Almeida. A fotografia é de Affonso Beato e a trilha sonora foi idealizada por Chico Neves, Hermano Viana e Sérgio Mekler.
http://www.agencia.ac.gov.br

Cineasta Cacá Diegues participa de bate papo sobre cinema em Rio Branco

Da redação
Diretor do filme “Deus é Brasileiro” participa de exibição de filme e bate-papo na Usina de Arte João Donato, nesta terça-feira

cac_diegues.jpg

Em Rio Branco, Cacá também fará gravações para documentário sobre o projeto Poronga (Foto: Divulgação)

O cineasta Cacá Diegues estará em Rio Branco nesta teça-feira, 19. O diretor participa da exibição do filme “Deus é Brasileiro” que acontece na Usina de Arte João Donato, a partir das 19 horas. O encontro é aberto ao público e a entrada é gratuita.

Logo após a exibição, as pessoas irão interagir com Diegues em um bate-papo sobre cinema.

“Deus é Brasileiro” é dirigido por Cacá Diegues e produzido por Renata de Almeida Magalhães e conta a história de Deus, que, cansado de tantos erros cometidos pela humanidade, resolve tirar férias. Para tanto, Ele precisa de um substituto que cumpra suas obrigações. Seu guia no País será Taoca, esperto borracheiro e pescador que vê uma oportunidade para resolver seus problemas. Junta-se a eles a solitária Madá, e a aventura começa. As filmagens aconteceram nos Estados de Tocantins, Alagoas, Rio de Janeiro e Pernambuco. Os personagens vivem muitas aventuras para encontrar um santo brasileiro.

Foi indicado na categoria de Melhor Filme no Festival de Cartagena em 2004 e nas categorias de Melhor Som, Melhor Fotografia e Melhor Direção de Arte no Grande Prêmio Cinema Brasil.

E mais, (Fonte Internet vários sites)

Cacá Diegues está para lançar seu novo filme

Cacá é Favela

O cineasta Cacá Diegues juntou os mais jovens cineastas de cinco grupos de comunidades carentes (Favela) para fazer o filme Cinco Vezes Favela, Agora Por Eles Mesmos. Com apoio da Globo Filmes, distribuição da Columbia, com filmagem para agosto e lançamento para 2008.
“Cinema em que qualidade é exigência, diz Cacá: Não é ato piedoso ou filme de fim de curso. Que eles sejam porta-vozes deles mesmos”.
“A próxima grande novidade do cinema brasileiro é o de periferia”. O grupo foi selecionado entre 150 participantes, que desenvolveram os próprios roteiros, supervisionados por Cacá. O diretor acredita que os jovens têm mais experiência do que ele, quando estreou aos 20 anos no comando de um dos curtas de ‘Cinco Vezes Favela’, marco do Cinema Novo, em 1962. Na época, Cacá era universitário e fazia cinema para dar voz ao povo. “Eu só tinha experiência de cineclube, de ver e falar sobre cinema. Com a tecnologia digital, esses meninos já estão praticando”, diz Cacá, confessando que também tem a ganhar. “Conviver com eles enriquece, oxigena a cabeça”. ‘Cinco Vezes Favela, Agora Por Eles Mesmos’ tem histórias distintas. Luciana Bezerra, 32 anos, do Nós do Morro — premiada no Festival de Brasília com ‘Mina de Fé’ —, dirige ‘Acende a Luz’, sobre o Natal no Vidigal. Luciano Vidigal, 27, do mesmo grupo, é um dos mais experientes: fez ‘Cidade de Deus’, de Fernando Meirelles, tem curta premiado e vai dirigir ‘Concerto Para Violino’, sobre amigos que seguem caminhos diferentes. Já a história de um cara que passou no vestibular e não tem como pagar os livros é a trama de ‘Fonte de Renda’, de Manaíra Carneiro, do Cinemaneiro, mega-falante aos 19 e moradora de Higienópolis. Cadu Barcellos, 20, do Observatório das Favelas, do Complexo da Maré, faz ‘Deixa Voar’, sobre garoto que perde pipa na favela rival. “Essa história poderia ser dos EUA e Iraque. As pessoas têm medo do lado de lá”, diz Cadu. Rodrigo Felha, 27, da Central Única de Favelas, da Cidade de Deus, dirige ‘Arroz com Feijão’, e acha que farão diferença. ‘A gente pode contar história de favela sem sangue”, acredita. São apostas altas. “Fazer cinema é bom, mas é longe, cedo e demorado, diz José Wilker. E só se faz com paixão e sinceridade. Espero que eles tenham”, diz Cacá.

Estamos precisando é disso ai… “Oportunidade”.

Cáca Diegues

  • Nome Completo: Carlos Diegues
  • Natural de: Maceió, Alagoas, Brasil
  • Nascimento: 19 de Maio de 1940
  • <!– Se nao

  • –>

Filmografia – Ator

2001 – Barra 68 – Sem Perder a Ternura
1997- For All – O Trampolim da Vitória
1984 – Cinématon
1973 – Os Sois da Ilha de Pascoa
1959 – Fuga (curtametragem)

Filmografia – Diretor

2004 – Como é Grande Meu Amor Por Você
2003 – Deus é Brasileiro
2000 – Carnaval dos 500 anos (curtametragem)
1999 – Reveillon 2000(curtametragem)
1999 – Orfeu
1996 – Tieta do Agreste
1994 – Veja Esta Canção
1989 – Dias Melhores Virão
1987 – Um Trem para as Estrelas
1986 – Batalha do Transporte (curtametragem)
1985 – Batalha da Alimentação (curtametragem)
1984 – Quilombo
1980 – Bye Bye Brasil
1977 – Chuvas de Verão
1976 – Xica da Silva
1975 – Aníbal Machado (curtametragem)
1974 – Cinema Íris (curtametragem)
1973 – Joanna Francesa
1972 – Quando o Carnaval Chegar
1971 – Receita de Futebol (curtametragem)
1969 – Os Herdeiros
1967 – Oito Universitários (curtametragem)
1966 – A Grande Cidade
1965 – A Oitava Bienal (curtametragem)
1964 – Ganga Zumba
1962 – 1962 – Cinco Vezes Favela (Episódio: Escola de Samba Alegria de Viver)
1961 – Domingo (curtametragem)
1960 – Brasília (curtametragem)
1959 – Fuga (curtametragem)
por Bruno Miranda
Anúncios

Cinemacre exibe neste sábado(09/08/2008) o filme “A Festa de Babette”

Exibição acontece a partir das 19 horas no auditório da Biblioteca da Floresta

O Clube do Cinema do Acre (Cinemacre) exibe neste sábado, 9, o filme “A Festa de Babette”, do cineasta Gabriel Axel, às 19 horas no auditório da Biblioteca da Floresta Marina Silva. “A Festa de Babette” é um delicioso filme sobre amor, fé, sacrifício e, naturalmente, o prazer do alimento.

A fim de escapar da sórdida repressão da Paris de 1871, Babette desembarca, em meio a uma tempestade, na costa selvagem da Dinamarca. Na pequena aldeia de Jutland, ela procura as irmãs Martina e Philippa, senhoras muito puritanas, filhas do pastor da região, e lhes apresenta uma carta de recomendação de Achille Papin, um cantor de ópera que, no passado, fora professor de canto de Philippa. 

Em sua carta, Papin lhes pede que acolham Babette em sua casa.  Por sua vez, esta lhes pede para trabalhar como criada, tendo em troca apenas um quarto para morar.  Depois de muito pensarem, principalmente pelo fato de Babette ser católica, elas terminam a aceitando.  Em pouco tempo, Babette se integra à austera tradição protestante da comunidade.

Quatorze anos depois, ela ganha 10.000 francos na loteria, o que vai lhe permitir voltar à sua pátria.  Entretanto, o inesperado acontece.  Babette resolve gastar todo seu dinheiro em um jantar tipicamente francês, a fim de comemorar dignamente o centenário de nascimento do falecido pastor, mesmo que para isso tenha que passar o resto de seus dias vivendo como criada das irmãs protestantes.

Os doze convidados para o jantar, todos sendo pessoas simples, não conheciam nada sobre a culinária francesa e menos ainda, sobre os pratos sofisticados que eram servidos no Café Anglais, lugar onde Babette trabalhara como cozinheira. Assim, com a habilidade de fazer as pessoas sentirem prazer através do paladar, Babette faz com que o jantar se transforme num verdadeiro banquete que as duas irmãs e os habitantes da pequena aldeia jamais esquecerão.

Sobre o Cinemacre – Quinzenalmente aos sábados, os apreciadores de filmes se reúnem na Biblioteca da Floresta Ministra Marina Silva para assistir a filmes culturais, em que são gerados idéias, debates e a troca de experiência por parte dos espectadores. O projeto é realizado pela organização do Cinemacre. Para se tornar sócio do Clube, o interessado deve pagar uma taxa mensal de R$ 10 e R$ 5 para quem possui carteira de estudante. O principal benefício é o acesso ao acervo de filmes do clube.

Fonte: http://www.agencia.ac.gov.br