The rope

Alfred Hitchcok esteve presente na oficina de Lúcio Kodato, com o filme Festim diabólico (1948), versão brasileira para The rope, cuja tradução seria “A corda”. O longa foi utilizado para exemplificação de fotografia e luz. O enredo é bem interessante: dois jovens assassinam um colega e escondem o corpo num baú, antes de iniciar uma festa. O baú é feito de mesa sobre o qual são acomodadas as comidas. Os convidados vão chegando e percebemos que muitos são relacionado ao morto: pais, namorada, amigos. A situação se complica quando chega o perspicaz Rupert, ex-professor dos assassinos. O clima de suspense e tensão vai aumentando gradualmente até o clímax, quando Rupert descobre o cadáver escondido no baú.

O filme é genial. Todo feito em apenas sete planos. A câmera, disposta numa espécie de carrinho, vai seguindo os atores durante a ação. Aliás, a atuação é espetacular, porque, como são poucos cortes, os atores tiveram que apresentar o texto num fôlego só, como num teatro, sem cometer erros. O cenário é apenas um apartamento, com prédios como pano de fundo, vistos através das janelas. A luz sobre esse fundo vai se modificando conforme a passagem do tempo: do dia para a noite. 

De fato, é uma produção singular, com a magistral assinatura de Hitchcok. E tivemos a oportunidade rara de assisti-la com os comentários de Lúcio Kodato, renomado diretor de fotografia do cinema nacional. Por isso é um privilégio estar no Curso de Cinema da Usina de Arte João Donato. Privilégio que não pode ser desperdiçado.

P.S. O Tonhão pediu pra escrever que foi ele que trouxe o filme.  

Por: Márcio Chocorosqui 

Anúncios

Reunião do Núcleo de Arte e Cultura – “Olhares Cantados”

Ontem,
dia 30.09 às 19h tivemos a primeira reunião do projeto “Olhares Cantados” do Núcleo de Arte e Cultura.
Estiveram conosco as bandas Filomedusa e Camundogs para discutirmos o processo de Pauta e Roteirização dos clipes.
A reunião aconteceu no Café Teatro, com a presença do mestre em fotografia Lúcio Kodato, os integrantes do núcleo; Isabelle, Bruno e Nattércia, a Walquíria, além dos integrantes das duas bandas presentes.
Logo após a reunião fomos assistir à gravação do Dvd acústico do Camundogs no Teatro Hélio Mello.

A partir desta quinta feira, daremos início às gravações do projeto “Poesias Interpretadas”.
Foram selecionadas 05 poesias de poetas Acreanos.
As interpretações ficarão por conta do grupo de teatro do curso da Usina de Arte.

MiraKabronzs

post by: Bruno Miranda

Uma semana de fotografia

Kodato durante a “primeira temporada” do curso 

Para os amantes da arte de escrever com a luz, essa era uma das oficinas mais esperadas. Professor Lúcio Kodato voltou com todo gás nesse segundo trimestre e com muitas idéias para compartilhar.

Hoje tivemos uma aula expositiva com  várias dicas de pré e pós-produção:

  • Definir uma proposta visual;
  • Conversar continuamente com o Diretor e o Produtor;
  • Reconhecimento das locações;
  • Anlisar as posições do sol durante o dia nas locações;
  • Acompanhar a meteorologia (E estamos cientes de que vem muita chuva por aí…) 
  • Desenhar mapa de luz para os cenários e locações…

E outros pontos importantes que devem ser considerados quando formos executar nossos projetos.

 A partir de amanhã iremos praticar alguns conceitos de iluminação com os equipamentos da Usina.

Até lá!

Postado por Nattércia Damasceno 

Aos NÚCLEOS do Curso de Cinema e Vídeo

Prezados alunos…Encerramos nesta última sexta feira, 26, a primeira fase do projeto  da TV Usina iniciado em 12 de setembro, com a participação dos professores Gilberto Loureiro, Jorge Duran, Rodrigo Savazoni, Eduardo Valente e Paulo Alcoforado.A partir da proposta do projeto experimental da TV Usina, deu-se a introdução ao tema televisão, a formatação dos núcleos, apresentação e desenvolvimento de projetos, oficinas  focadas em dramaturgia e documentário, prática e teoria de comunicação via Web com implantação do Blog, análise crítica e processos de criação para uma nova estética, enfim, elementos de informação indispensáveis para iniciarmos, nesta semana com a Oficia de Fotografia, a segunda etapa do nosso curso que estará voltado para a prática de realização dos projetos. A Oficina de Fotografia, a cargo de Lúcio Kodato, dará continuidade aos fundamentos da oficina realizada no primeiro trimestre e enfocará formas e formatos para serem aplicados aos projetos dos Núcleos além do treinamento dos alunos fotógrafos encarregados de captação dos projetos,.Em seguida, daremos sequência ao processo de produção com uma Oficina de Formatação de Programação na qual se dará uma estrutura aos projetos apresentados pelos Núcleos para constituir a Programação da TV Usina, base de conteúdos para a elaboração do  Plano de Produção que colocará os projetos dos Núcleos em processo de gravação e edição simultânea. Vamos permanecer em contato permanente através de nosso veículo.. o nosso Blog..

abrs. capô.

Paulo Alcoforado!

Apresentaram-me o Paulo Alcoforado como: O Poderoso Chefão do Doctv.(rs) E ele não ganhou a simpatia geral inicialmente não! Ele falava, falava, falava, com o papo de aumentar nosso repertório ele continuava falando muito e ouvindo pouco!

Mas terminou assim, depois de sobreviver do “Congo” à “Close-Up”, ele fechou a oficina apaixonado, fazendo enxergar aquela paixão que perdemos ao longo das técnicas e oficinas.. ‘sim, nós necessitamos de expressar por meio da arte’!! O leque foi aberto, a meta cumprida e reconhecemos e reverenciamos o vasto conteúdo passado por Alcoforado!

Como já tá ficando comum, toda semana faço um post sobre a oficina e fiquei pensando: Do que eu vou falar do Paulo? Pensei nos cachinhos dele (mas de novo?) Na fala de metralhadora,rss.. mas reparando, vi o um lado que ele revelara e eu não enxergava! O Paulo dança!! Quando comecei a filmar, todo mundo percebeu, rs.. como diria ele “câmera sensível” o/

Paulo, foi com carinho viu?! =P

post by: Miriane

p.s: Ui ui ui, ansiosa pra ver as manifestações críticas!!

Altino

Tah, hoje eu ainda não vim pra minha nova coluna de vídeos sobre os oficineiros, rss!

Estava na pesquisa de poesias acreanas para filmarmos elas interpretadas na semana do Kodato e chego no blog do Altino (muito conhecido por todos, mas que eu, em particular, não frequento) aí lá tinha um post sobre o “Usina de Olhares”!! Vou copiar aqui.. mas quem puder, vá lá no blog e leia os 2 comentários cretinos!

O jornalista Rodrigo Savazoni está no Acre, a convite do cineasta Maurice Capovilla, conduzindo uma oficina sobre informação interativa num curso de cinema na Usina de Arte João Donato. Anda com uma turma a procura de saber quais os principais problemas de Rio Branco, a capital, quais as questões que hoje estão fora da mídia e que mereceriam atenção.

Eles querem saber, ainda, se existe um espaço público e, se não existe, se podemos contruí-lo. E Savazoni sabe que nada se compara à web para possibilitar a interação. Ele havia me convidado para auxiliar no que chama de “conformação de uma nova esfera pública acreana”.

Não conheço Savazoni pessoalmente, mas outro dia me senti lisonjeado quando escreveu que meu blog é sua “única e permanente ponte jornalística com o Acre”.

Gostaria de ter participado da oficina, mas estou tendo que passar uns dias em São Paulo. Confesso que nada tenho a reclamar, pois, acreditem, o ar que estão respirando no Acre está dezenas de vezes mais poluído que o de Sampa. Quem diria!

Bem, soube que Savazoni e sua turma debateram temas vitais para o Acre: informação pública, para além da notícia, e conceitos de jornalismo público.

– Veja, minha preocupação maior, com esse convite, é não sair daqui [ele mora em Brasília], do meu conhecimento centralizado e reduzido sobre a realidade do Brasil com respostas, mas com perguntas. E acho que quem tem algumas respostas e pode ajudar os estudantes a encontrá-las é você e não eu. Parto do princípio que o verdadeiro diálogo começa a partir dessa concepção – argumentava Savazoni.

Ele e sua turma montaram o blog coletivo Usina de Olhares, que permite a todos os estudantes iniciar a experiência de interagir por meio da web, inclusive submetendo previamente o que estão fazendo ao diálogo com os usuários, partindo do princípio que, geralmente, eles sabem muito mais do que nós.

Vale a pena conferir o que já conseguiram fazer. Estão até subindo conteúdo audiovisual para o blog, além de todas as propostas de documentários interativos, que têm Rio Branco como recorte.

Vale assinalar que Savazoni deixa as pessoas livres, para que possa emergir delas, a percepção delas, e, do olhar delas sobre a cidade, as propostas de pautas. Trata-se de um excelente projeto a arejar o ambiente acreano. E, registre-se, conta com a positiva cumplicidade do governador Binho Marques.

E nao deixe de conhecer, ainda, o site de Rodrigo Savazoni, em busca de uma palavra justa no Acre. Clique aqui para conhecer suas primeiras impressões sobre essa terra positivamente estranha.”

Então, mais detalhes: http://altino.blogspot.com/2007/10/usina-de-olhares.html

post by Miriane Teles.

Lúcio Kodato

Nosso próximo oficineiro da semana que vem, voltando ao Acre é o querido e renomado LÚCIO KODATO. Aqui vai seu imenso acervo de produção::

 

Nascimento: 29 Março 1947, São Paulo, Brasil,

Carreira: Inicia como Fotógrafo em 1969: “Jornal Artes”, “O Estado de São Paulo”, “Jornal da Tarde” e “Bondinho”. Assistente de câmera em 1970 para Diretores de Fotografia como

Carlos Egberto Silveira e Hélio Silva ABC. Em 1972 teve a oportunidade de fotografar o curta-metragem “… / Reticências” – dir. José de Anchieta, desde então fotografou inúmeros longas, curta metragens, comerciais, documentários, “music vídeo”, foi um dos membros fundadores (2000), vice-presidente (2004-2005), é o atual presidente da ABC (2006-2007) (Associação Brasileira de Cinematografia)

Prêmio: XIV Festival de Cinema de Brasília “Melhor Fotografia” (Xingu / Terra),

  • __ Filmes:

1975 “Nordeste: Cordel, Repente, Canção”, dir. Tânia Quaresma – documentário

1976 “Doces Bárbaros”, dir. Jom Tob Azulay, op. câmera adicional

1976 “À Flor da Pele”, dir. Francisco Ramalho Jr.

1980 “Os Anos J.K. – Uma Trajetória Política”, dir. Silvio Tendler

1981 “Xingu / Terra”, dir. Maureen Bisilliat

1983 “O Beijo da Mulher Aranha” dir. Hector Babenco, 2º op. câmera. DoP Rodolfo

Sánchez, ABC

1984 “Jango”, dir. Silvio Tendler

1985 “Floresta das Esmeraldas”, dir. John Boorman, 2ª unid. DoP, DoP Philippe Rousse-

lot, ASC, AFC

1986 “Luar sobre o Parador”, dir. Paul Mazursky, 2ª unid. DoP, DoP Don McAlpine, ASC,

ACS

1996 “Todos os Corações do Mundo, dir. Murilo Salles

2006 “Canta Maria”, dir. Francisco Ramalho Jr.

2005 “A Ilha do Escravos”, dir. Francisco Manso (em pós produção)

2006 “Eu Prefiro a Maré”, dir. Lúcia Murat (em pós produção)

  • __ Televisão:

1973 “Pacífico Atlântico, 3ª Classe”, dir. Roberto Santos

1973 “Rio Negro”, dir. Roberto Malzoni Filho e Lúcio Kodato

1978 “Caramuru”, dir. Francisco Ramalho Jr. (Piloto, não exibido)

1991 “Acústico MTV” (Barão Vermelho, Legião Urbana)

1992 “Acústico MTV” (Seal, João Bosco)

1997 “Sede de Peixe – Milton Nascimento”, dir. Carol Jabor e Lula Buarque

2003 “A Diarista”, dir. José Alvarenga (piloto)

2003 “Papo de Anjo”, dir. José Alvarenga (piloto)

2003 “Sob Nova Direção”, dir. Mauro Farias (piloto)

  • __ Curta- Metragens:

Diversos com diretores como José de Anchieta, Roberto Santos, Flávia Moraes,

Maurice Capovilla, Rachel Monteiro, Fernando Grostein Andrade

  • __ Documentários:

Vários com diretores: Francisco Ramalho Jr., Roberto Santos, Flávia Moraes,

Maurice Capovilla, Sylvio Back, Leon Hirszman, Ugo Giorgetti (2ª Câmera – principal

Rodolfo Sánchez)

  • __ Vídeo Music / Dvd

Para artistas como: João Gilberto, Paul Simon, Julio Iglesias, Chayanne, Lenine, Djavan

Daniela Mercury, Sandy & Junior, Chitãozinho & Xororó, Skank, Yamandú Costa, Cidade

Negra, Paralamas do Sucesso, Jobim Sinfônico, 100% Favela (Associação Periferia Ativa)

  • __ Comerciais

Clientes: Nestlé, Toyota, Volkswagen, GM, Ford, Mercedes Benz, Renault, Embratel,

McDonald´s, Ambev, TIM, Globo News

  • __ Atividades Diversas:

Visita da Sua Santidade Dalai Lama a São Paulo (2006) – Coordenador técnico: iluminação, vídeo (captação para futuro DVD), Palestras sobre a tecnologia HD (High Definition) (2006) Iluminação do espaço da Cinemateca Brasileira durante o 62º Congresso da FIAF (Federação Internacional de Arquivos de Filmes) (2006), Iluminação da exposição Cinemateca Futebol Clube fotografias de Dimitri Lee e pinturas de José Zaragoza (2006), Usina de Artes João Donato – Rio Branco Acre – curso de cinema (2007)

 post by: Bruno Miranda

Entradas Mais Antigas Anteriores